quarta-feira, 20 de janeiro de 2021

Mesmo com vacina, o coronavírus veio para ficar

Mesmo depois de vacinar todos os habitantes da Terra contra o coronavírus, o COVID-19 pode continuar a se espalhar.

Isso porque os cientistas ainda não têm certeza se as vacinas atualmente em uso impedem a transmissão de doenças ou se meramente previnem doenças sintomáticas, disse Kingston Mills, imunologista e bioquímico do Trinity College Dublin, à New Scientist . Isso significa que há uma hipótese de que a vacina não impeça as pessoas de contrair e espalhar a COVID-19, apenas tornando as pessoas mais resistentes ao vírus, e menos propensas de o contrair.



Vacina-covid-19
Photo//Folha de alphaville

Será que corremos o risco de uma próxima pandemia devastadora?


Os cientistas ainda estão tentando descobrir se as vacinas realmente previnem a propagação do vírus, mas a  Scientific American observa que não seria inédito se não o fizessem. A vacina contra hepatite B não previne a transmissão, por exemplo. Se esse for o caso, disseram os especialistas à Scientific American, o COVID-19 continuará sendo um problema de saúde pública, não importa quantas pessoas sejam vacinadas, mesmo depois que a pandemia finalmente terminar.

“Não vejo que essas vacinas irão eliminar a SARS-CoV-2 em qualquer momento nos próximos anos”, disse Mills à New Scientist .





Apesar disso, a vacinação em massa terá um papel importante no fim da pandemia, mesmo se o coronavírus tecnicamente continuar a se espalhar e infetar novas pessoas. A capacidade de prevenir casos graves ou até mesmo levemente sintomáticos de COVID-19 mudará o jogo para fazer a vida voltar ao normal, acabar com os bloqueios e tornar mais seguro estar perto de outras pessoas.

O problema é que, mesmo quando isso acontecer, novos casos do coronavírus provavelmente surgirão entre aqueles que não foram ou não puderam ser vacinados, se aqueles que foram inoculados puderem de fato espalhar a doença. Além disso, a New Scientist observa, o coronavírus poderia teoricamente sofrer mutações ao se espalhar entre as pessoas ou diferentes espécies animais, podendo causar novos surtos.

Acho que esse vírus veio para ficar”, disse Susan Hopkins, epidemiologista da Public Health England, à New Scientist .


Identificadas duas novas cepas do Sars-Cov-2 nos Estados Unidos




Sem comentários:

Publicar um comentário