quarta-feira, 13 de janeiro de 2021

Identificadas duas novas cepas do Sars-Cov-2 nos Estados Unidos

Cientistas em Ohio descobriram duas novas cepas do coronavírus SARS-CoV-2, que parecem ser mais infeciosas.

As novas cepas, que foram identificadas pela primeira vez por uma equipe da The Ohio State University, mostram novas mutações que parecem torná-las mais infeciosas, segundo o Gizmodo. Isso significa que o vírus pode se espalhar entre as pessoas mais facilmente, aumentando o potencial alarmante de um número ainda maior de novas infeções nos Estados Unidos, numa altura em que as redes de saúde já estão sobrecarregadas .


Sars-Cov-2
Photo//Pixabay//thiagolazarino

Cientistas de Stanford criam vacina, de nanopartículas, de dose única para COVID-19


Uma das cepas só foi vista uma vez até agora, de acordo com o Gizmodo, então ainda não não se sabe qual a sua propagação. Mas os investigadores determinaram que ele carrega uma mutação semelhante à cepa B.1.1.7 que apareceu no Reino Unido. A outra nova cepa, no entanto, está se espalhando com muito mais força, pelo menos na área de Columbus, Ohio. Esta cepa possui uma combinação de mutações, algumas das quais nunca vistas antes, que tornam o COVID-19 mais contagioso.

Mas os cientistas também não sabem muito sobre as cepas ainda, de acordo com o Gizmodo. Eles ainda estão se preparando para publicar uma pré-impressão de seu trabalho online, que não foi avaliada por outros investigadores da área.



Embora uma cepa mais contagiosa do coronavírus possa aumentar o número de novas infeções e sobrecarregar ainda mais hospitais e clínicas, os cientistas ainda não encontraram uma cepa que torne o COVID-19 mais mortal. Isso, pelo que sabemos até agora, inclui também as duas variantes recém-descobertas.



É importante não reagirmos exageradamente a essa nova variante até obtermos dados adicionais”, disse Peter Mohler, co-autor do estudo e diretor científico do Wexner Medical Center do estado de Ohio, em um comunicado à imprensa. “Precisamos entender o impacto das mutações na transmissão do vírus, a prevalência da cepa na população e se ela tem um impacto mais significativo na saúde humana.


Nova variante do coronavírus não é mais perigosa que a original, afirma estudo


Reerencia//Gizmodo




Sem comentários:

Publicar um comentário