sábado, 26 de dezembro de 2020

Qual o efeito do encerramento das fronteiras na propagação do COVID-19

Os modelos estimam que as restrições às viagens funcionaram no início da pandemia, mas tornaram-se menos eficazes ao longo do ano.

Uma nova pesquisa estimou o efeito das restrições nas viagens internacionais no COVID-19, desde o início da pandemia.


constragimentos-nos-aeroportos
Photo//Saudemais

Como irá se desenrolar a pandemia de coronavírus em 2021


Vários modelos indicaram que o encerramento das fronteiras pode ter ajudado a limitar a transmissão do vírus nos primeiros dias da pandemia, mas, depois do vírus ter começado a se espalhar noutros países, o encerramento das fronteiras trouxe poucos benefícios.

Antes da pandemia de COVID-19, a maioria dos países impôs restrições nas fronteiras apenas em países onde havia surtos da doença. Na maioria dos casos, os cientistas achavam que, tais medidas seriam ineficazes. As infeções de gripe, por exemplo, muitas vezes passam despercebidas e, portanto, as restrições a viagens não valem as compensações sociais e económicas, diz Karen Grépin, economista de saúde da Universidade de Hong Kong.



Quando a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou o coronavírus SARS-CoV-2, altamente infecioso, e uma emergência de saúde pública, a agência aconselhou as nações a manter as fronteiras abertas. Mas quase todos os países ignoraram, e muitos países até fecharam suas fronteiras para todas as nações, contribuindo para uma queda sem precedentes nas viagens que ainda continua.

Não faziamos ideia de que os governos de todo o mundo estariam dispostos a impor o encerramento total das fronteiras e medidas relacionadas que custariam à economia global cerca de 400 biliões de dolares todos os meses”, disse Steven Hoffman, advogado internacional e epidemiologista da Universidade de York em Toronto, Canadá.


Descoberto sistema que deteta o coronavírus em 10 segundos


Efeitos modelados

A maioria dos estudos que analisam o efeito das restrições às viagens impostas durante a pandemia baseia-se em modelos teóricos. Os cientistas dizem que isso é útil na falta de estudos demorados.

Numa revisão de 29 estudos publicados no medRxiv, Grépin e Kelley Lee, um investigador que estuda saúde global na Simon Fraser University em Vancouver, Canadá, descobriram que a maioria dos modelos mostra que as restrições de viagens e o encerramento das fronteiras reduziram o número de pessoas entradas com COVID-19 em muitos países no início do surto.



A pandemia mostrou aos investigadores de saúde pública que, em algumas situações, as restrições às viagens ajudaram a manter a epidemia sob controlo, disse Lee. “O sentimento geral era que eles não funcionam de forma alguma e prejudicam os direitos humanos”, disse ele.

Mas o estudo (2), contabilizou o efeito da proibição das pessoas deixarem a cidade chinesa de Wuhan, onde a pandemia começou, e descobriu que isso evitou que quase 80% das infeções por COVID-19 se propagassem para países fora da China nas semanas que se seguiram á imposição. Portanto, alguns modelos provavelmente superestimaram os benefícios do encerramento das fronteiras internacionais em comparação com o “fecho” de Wuhan, diz Grépin. Os ganhos com o encerramento das fronteiras também duraram pouco quando não foram combinados com outras medidas, como testes, rastreamento de contato e quarentena para evitar a transmissão local.

 

Outro estudo (3) , publicado no The Lancet em 7 de dezembro, estimou o efeito das restrições de viagens sustentadas na redução da disseminação viral. Os autores descobriram que, sem redução no movimento, os viajantes internacionais em maio teriam contribuído com mais de 10% do total de casos de COVID-19 em 102 países, só naquele mês. Mas, em setembro, a contribuição de viajantes internacionais para a contagem de casos COVID-19 da maioria dos países caiu significativamente.

Isso sugere que as restrições ás viagens não se justificaram posteriormente na pandemia, exceto em países com muitas entradas ou em regiões com baixa transmissão que queriam manter o vírus longe, diz o coautor Mark Jit, modelador de doenças infeciosas da London School of Higiene e Medicina Tropical.



Evitar viagens de países com alta prevalência seria suficiente para reduzir a exposição em muitas regiões, diz Jit. “Os países não deveriam dizer instintivamente que, só porque há uma pandemia, deveríamos ter restrições nas viagens.”

Hoffman diz que agora são necessários estudos no terreno para descobrir qual a eficácia nos países que fecham completamente suas fronteiras. “Há uma boa possibilidade de que muito do que estamos fazendo esteja causando mais mal do que bem.”



Regras e regulamentos

A decisão da OMS ao desaconselhar as restrições de viagens no início da pandemia foi provavelmente causada pela resistência que enfrentou na sua resposta ao surto de 2003 da síndrome respiratória aguda grave (SARS), diz Grépin. Na época, a agência desaconselhou viagens essenciais para regiões da China, onde o surto começou, e locais com surtos consideráveis, como Toronto, no Canadá. Alguns investigadores argumentaram que a decisão representou um ônus económico injusto para essas regiões e desincentivou os estados membros de relatar surtos de doenças infeciosas.

Os investigadores dizem que as evidências mais recentes sugerem que o conselho da OMS sobre as restrições de viagens durante surtos de doenças precisa ser mais estudado e ir além de uma recomendação do tipo sim ou não. No caso do COVID-19, “a OMS disse uma coisa e o mundo fez outra”, diz Grépin.

A OMS disse por e-mail que está revisando as evidências sobre medidas de mitigação de viagens e publicará relatórios científicos sobre isso, o que também ajudará os países a avaliar o risco de suspender as restrições a viagens.


Imunidade ao COVID-19 dura pelo menos oito meses, segundo pesquisas recentes


Referencia//Nature




Sem comentários:

Enviar um comentário