quarta-feira, 23 de dezembro de 2020

Imunidade ao COVID-19 dura pelo menos oito meses, segundo pesquisas recentes

Os receios de que o nosso sistema imunológico poderia rapidamente perder a imunidade ao SARS-CoV-2, estão cada vez mais infundados. Um estudo australiano revelou que o sangue consegue mante-la por um período de, pelo menos, oito meses após a infeção.

Esta é uma boa notícia para aqueles preocupados com o fato de que as vacinas COVID-19 não proporcionarão o período de proteção necessário para controlar a disseminação do vírus pela população.



Covid-19
Photo//Pixabay//piro4d-2707530/


Descoberto sistema que deteta o coronavírus em 10 segundos


"Esta tem sido uma nuvem negra pairando sobre a proteção potencial que poderia ser fornecida por qualquer vacina COVID-19 e dá esperança real de que, a uma vacina ou vacinas darão proteção de longo prazo", disse o imunologista da Monash University Menno van Zelm.

“Embora ainda seja muito cedo para dizer quanto tempo pode durar a imunidade a esse coronavírus específico, podemos estar confiantes de que o tempo provavelmente estará do nosso lado”.

Numa colaboração entre a Monash University, o The Alfred Hospital e o Burnet Institute em Melbourne, os investigadores analisaram amostras de sangue coletadas de 25 voluntários com diagnóstico de COVID-19.



Cada amostra forneceu um instantâneo do estado do sistema imunológico, desde apenas quatro dias após a infeção até oito meses.

Outros 36 indivíduos sem história da doença também forneceram uma ou duas amostras de sangue para comparação.

As amostras positivas para COVID-19 sugerem que as concentrações de anticorpos anti -SARS-CoV-2 flutuantes começam a desaparecer apenas 20 dias após o aparecimento dos sintomas, o que está de acordo com estudos anteriores, sugerindo que os níveis de anticorpos caem rapidamente, especialmente em casos leves de COVID-19.

Embora isso não seja surpreendente, causou consternação entre os imunologistas sobre se devemos esperar ondas de reinfeções nos próximos anos.



Os anticorpos permitem que o sistema imunológico ataque prontamente as reinfeções. Sem eles, é muito fácil para uma infeção passada voltar.

Há casos de alguns vírus que deixam anticorpos no corpo durante anos. O sarampo, por exemplo, provoca uma resposta de anticorpos que quase não diminui ao longo da vida.

Outros agentes de doenças desaparecem um pouco mais rápido. Para o tétano, esse desaparecimento leva pouco mais de uma década, exigindo lembretes frequentes na forma de vacinas de reforço para induzir o sistema a imprimir um novo lote de anticorpos.

A chave para este serviço criação de anticorpos são os glóbulos brancos chamados células B de memória. Formadas durante uma infeção para produzir anticorpos específicos para um invasor, essas células podem se esconder durante décadas, prontas para gerar uma nova dose de anticorpos a qualquer momento se o patogénico reaparecer.

 

Novas evidências sugerem que a COVID-19 pode ser um tipo de doença auto-imune.

 

Para ver se um sistema imunológico conhecido do COVID-19 ainda tinha células B suficientes depois de apenas alguns meses, os investigadores introduziram pedaços de SARS-CoV-2 marcados com fluorescência nas amostras de sangue infetadas.

A análise não apenas revelou uma resposta significativa em cada uma das amostras de sangue do COVID-19, mas permitiu à equipe determinar quais tipos de células de memória B estavam reagindo a qual pedaço específico do corpo do vírus.

Esses resultados são importantes porque mostram, de forma definitiva, que os pacientes infetados com o vírus COVID-19 de fato mantêm imunidade contra o vírus e a doença”, diz van Zelm.

Como as proteínas analisadas pelo estudo são consideradas locais primordiais a serem atingidos, podemos esperar que a maioria das vacinas também proporcione um bom nível de imunidade durante pelo menos oito meses.



Mais que isso só o tempo o dirá. Espera-se, haver notícias nos próximos anos de imunidade contínua que dura muito além das expectativas.

Para que a pandemia seja bem controlada, se não erradicada por completo, precisaremos de pelo menos 70% de uma população imune ao mesmo tempo. Só então podemos ter certeza de que o vírus terá tão poucos lugares para se esconder, ele pode simplesmente desaparecer.

Neste momento, podemos ter certeza de há oito meses de imunidade. Esperemos que seja o suficiente.

Esta pesquisa foi publicada na Science Immunology .


Novas evidências sugerem que a COVID-19 pode ser um tipo de doença auto-imune.


Referencia//ScienceAlert


Sem comentários:

Publicar um comentário