sexta-feira, 18 de dezembro de 2020

Desapareceu um buraco negro supermassivo e monstruoso

Quase todas as galáxias têm um buraco negro supermassivo no centro, com uma massa de milhões a biliões de vezes a massa do nosso Sol.

Uma vez que a massa de um buraco negro central, segue a massa da própria galáxia, os astrónomos esperam que a galáxia no centro de Abell 2261 tenha um buraco negro supermassivo que rivaliza com o peso dos, provavelmente maiores, buracos negros conhecidos no Universo.




buraco-negro
Photo//Pixabay/geralt


O que é um Buraco Negro?



Usando dados do Chandra obtidos em 1999 e 2004, os astrónomos já haviam pesquisado o centro da grande galáxia central de Abell 2261 em busca de sinais de um buraco negro supermassivo. Eles estudaram o material que fica superaquecido quando vai em direção ao buraco negro e produzem raios-X, mas não detetam tal fonte.

Apesar de pesquisar com o Observatório de raios-X Chandra e o Telescópio Espacial Hubble da NASA, os astrónomos não têm evidências da existência de um buraco negro distante.

Observações mais demoradas do Chandra obtidas em 2018 conduziram uma pesquisa mais aprofundada sobre o buraco negro no centro da galáxia. Eles também consideraram uma explicação alternativa, na qual o buraco negro foi ejetado do centro da galáxia hospedeira. Este evento violento pode ter resultado da fusão de duas galáxias para formar a galáxia observada, acompanhada pelo buraco negro central em cada galáxia, que se fundiram, formando um enorme buraco negro.



Quando os buracos negros se fundem, passa a existir um único ficando estável, através de um estágio chamado ringdown, onde qualquer distorção na forma é dissipada como ondas gravitacionais. Se essas ondas gravitacionais fossem mais fortes numa direção do que noutra, o novo buraco negro, consideravelmente mais massivo, teria sido enviado para longe do centro da galáxia na direção oposta. Isso é conhecido como o buraco negro que recua.

Porém, não há evidências definitivas de buracos negros recuando. Além disso, não se sabe se os buracos negros supermassivos se fundem e produzem ondas gravitacionais. Até agora, os astrónomos só verificaram as fusões de buracos negros muito menores.

A galáxia no centro de Abell 2261 é a melhor região para procurar um buraco negro recuando. Isto porque dois sinais indiretos sugerem que ocorreu uma fusão. Em primeiro lugar, os dados das observações óticas do Hubble e Subaru revelam um núcleo galáctico, a região central onde o número de estrelas na galáxia num determinado ponto da galáxia é igual ou próximo do valor máximo, ou seja, muito maior do que o esperado para uma galáxia de seu tamanho. O segundo sinal é que a concentração mais densa de estrelas na galáxia está a mais de 2.000 anos-luz de distância do centro da galáxia, surpreendentemente distante.


Astrónomos encontram buraco negro próximo da Terra


Marc Postman do Space Telescope Science Institute (STScI) e os colaboradores identificaram esses recursos em imagens anteriores do Hubble e do Subaru. Os dados os ajudaram a sugerir a ideia de um buraco negro fundido em Abell 2261.

Um buraco negro supermassivo segue em direção ao centro da galáxia recém-coalescida durante uma fusão. Se eles ficarem ligados uns aos outros pela gravidade e sua órbita começar a encolher, espera-se que os buracos negros interajam com as estrelas circundantes e as ejete do centro da galáxia. Isso explicaria o grande núcleo do Abell 2261.

Apesar de ter as pistas, nem os dados do Chandra nem do Hubble mostraram evidências da presença do buraco negro. Os astrónomos também estudaram três aglomerados próximos ao centro da galáxia e examinaram se os movimentos das estrelas nesses aglomerados são altos o suficiente para sugerir que contêm um buraco negro com dez biliões de vezes a massa solar. Não foi encontrada nenhuma evidência clara de um buraco negro em dois dos aglomerados, e as estrelas no outro eram muito fracas para produzir conclusões úteis.



Enquanto estudavam as observações anteriores, eles detetaram emissões de rádio perto do centro da galáxia. Isso indica que a atividade dos buracos negros supermassivos ocorreu há 50 milhões de anos, mas não sugere que o centro da galáxia atualmente contenha o tal buraco negro.

De seguida, eles voltaram-se para Chandra, e descobriram que o gás quente mais denso não estava no centro da galáxia. Eles não revelaram nenhuma possível assinatura de raios-X de um buraco negro supermassivo em crescimento, nenhuma fonte de raios-X foi encontrada no centro do aglomerado, ou em qualquer um dos aglomerados de estrelas, ou no local da emissão de rádio.

Com base nisso, os astrónomos observaram que,  "ou não há buraco negro em qualquer um desses locais, ou está puxando o material demasiado lentamente para produzir um sinal de raio-X detetável."

 Continua assim o mistério da localização deste gigantesco buraco negro.


O mítico Planeta X, pode ser um buraco negro


Referencia//ScienceAlert




Sem comentários:

Publicar um comentário