domingo, 27 de dezembro de 2020

Cientista da NASA afirma que a vida alienígena em Marte pode ajudar-nos na exploração espacial.

Ao longo dos anos, os cientistas têm procurado outros planetas e luas que possam ser adequados para serem colonizados. No entanto, a maioria apresenta condições muito duras para nós. O problema pode ser resolvido com uma pequena ajuda dos marcianos.

O cientista-chefe da Administração Nacional de Aeronáutica e Espaço (NASA) dos Estados Unidos, Dr. James Green, acredita que a descoberta de vida noutros planetas do Sistema Solar, como Marte, pode permitir que futuros astronautas sejam geneticamente modificados para poderem viver nesses mesmos ambientes, afirmou ele num podcast de "Gravity Assist" .



Marte
Photo//Pixabay//sergeitokmakov


Desapareceu um buraco negro supermassivo e monstruoso


Segundo o cientista, estudar a vida que evoluiu num ambiente completamente diferente da Terra seria um exemplo de como desenvolveram mecanismos para sobreviver nele.

"Se formos capazes de ultrapassar isso, se formos capazes de quebrar o conceito de ser capaz de viver e crescer usando, usando novas mudanças na nossa estrutura de DNA que talvez outras formas de vida tenham realmente feito, então podemos ir a qualquer parte da galáxia”, afirmou o físico.

Discutindo ainda as possíveis consequências da descoberta de vida extraterrestre, o cientista observou que, apesar do fato de que a vida que possa ser encontrada na área do Sistema Solar provavelmente seja microbiana, a sua descoberta mudaria completamente a visão da humanidade.



"Como disse, a vida microbiana é o que temos mais probabilidade de encontrar no nosso sistema solar. Encontrar vida inteligente fora de nosso sistema solar, significa que a capacidade de comunicação com essa vida inteligente pode ser baixa, mas sabe, mesmo vendo que está aí, mesmo sabendo que está aí, acho que pode ter um efeito enorme num monte de coisas abrangentes ", disse o cientista.

A próxima missão da agência espacial dos EUA a Marte é a missão Perseverance rover, que deve pousar na cratera de Jezero em fevereiro de 2021, após uma viagem de seis meses.



Na semana passada, a NASA disse que atrasou os testes do sistema de foguetes lunares Artemis I, para facilitar uma melhor supervisão do projeto. O objetivo é colocar os astronautas dos EUA na superfície da Lua até o final de 2024. E no início deste ano, a NASA anunciou seus planos de enviar uma missão tripulada a Marte já em 2030.

No entanto, o CEO da SpaceX, Elon Musk, garantiu no início de dezembro que os humanos "provavelmente" pousarão em Marte dentro de seis anos, com o objetivo de criar uma "colonia real" no planeta. Para Musk, Marte não é um "planeta B",  mas sua exploração faz parte da sua visão para a humanidade como "uma espécie multiplanetária e uma civilização espacial".




Rererencia//SputnikNews






Sem comentários:

Publicar um comentário