sábado, 7 de novembro de 2020

"Spaceport Japan" projetada para a Baía de Tóquio

Um consórcio de empresas está tentando posicionar o Japão como o primeiro centro de turismo espacial da Ásia, propondo um centro futurístico e flutuante "Spaceport Japan", a partir do qual serviços como a Virgin Galactic podem operar seus passeios suborbitais.

Em termos de logística de voo, inicialmente isso exigirá apenas uma pista normal. O SpaceShipTwo Unity da Virgin não decola verticalmente como um foguetão espacial. Em vez disso, ele vai no notável WhiteKnightTwo , pendurado entre as fuselagens gêmeas da nave-mãe enquanto decola como uma aeronave de aparência maluca, mas relativamente convencional, e chega a uma altitude de 50.000 pés.


Spaceport-japan
Photo//Spceport-japan


Cientistas ligaram um reator de fusão experimental


Neste estágio, a SpaceShipTwo cai e os foguetes propulsores entram em ação, acelerando a nave espacial em cerca de 3,5 g para velocidades acima de Mach 3,5 em direção ao espaço. Em algum ponto, a mais de 50 milhas, mas bem abaixo da altitude orbital, os foguetes serão desligados e os passageiros poderão sair de seus assentos e flutuar numa experiência de gravidade zero por alguns minutos, enquanto olham pelas janelas a curvatura da Terra.

A nave planará de volta para baixo e fará uma aterragem convencional, exatamente onde decolou, cerca de 90 minutos depois. No momento, é o Spaceport America, uma instalação de aparência um pouco menos glamorosa no Novo México, embora sua aparência possa ser perdoada pelo simples fato de que realmente existe

O grupo Spaceport Japan, uma organização sem fins lucrativos, conta com 25 "membros regulares", onde se inclui a Airbus Japan, Kajima Corporation, Suntory, Mitsubishi Estate, Yamato Holdings e Manned Space Systems, e mais de 30 outros "membros apoiantes", acredita ser esta uma oportunidade muito mais do que uma pista de aterragem.



O grupo quer construir uma área educacional espacial e turística, incluindo museus, com foco no espaço, ginásios e piscinas espaciais, um teatro focando o espaço a 4D, um estúdio de transmissão, restaurantes, hotéis e instalações comerciais. Isso ao lado de todas as infraestruturas de que necessitam, como, hangares, instalações de manutenção, controle de tráfego aéreo e espacial, terminais e instalações de treino para podem pagar os preços astronómicos desses primeiros voos de turismo espacial.


Cientistas russos desenvolvem novo sistema de armazenamento seguro de hidrogénio


No momento, são US $ 250 milhões por assento, apenas para ir até ao espaço para uma breve flutuação e uma olhada pela janela. Portanto, certamente não será um mercado de volume a curto prazo, mas a equipe do Spaceport Japan diz que espera que a indústria espacial se torne um mercado de triliões de dólares em 2050, com o turismo espacial crescendo de forma constante.

As imagens mostram uma enorme plataforma flutuante na Baía de Tóquio, ligada ao continente por uma ponte. Uma praça gigante de vários níveis e duas torres abrigam todas as comodidades acima, com três grandes terminais para voos espaciais e as pistas associadas necessárias. Eles foram montados pela Noiz Architects, uma empresa sediada em Tóquio com uma série de projetos futurísticos em andamento.



Parece prematuro pensar na construção de uma instalação monstruosa como esta, e de fato a empresa Virgin's Orbit já escolheu o aeroporto de Oita como local de lançamento preferido, dizendo que é lá que "estabelecerá o primeiro porto espacial horizontal na Ásia". A empresa espera realizar sua primeira missão espacial em solo japonês já em 2022.

 

Mas a Spaceport Japan está se projetando mais além, preparando o público, o governo japonês e o mundo dos negócios para aproveitar a oportunidade e investir nesta infraestrutura no momento certo.


PAL-V Liberty, o primeiro carro voador do mundo a receber certificação para uso civil


Referencia//NewAtlas




Sem comentários:

Publicar um comentário