quinta-feira, 12 de novembro de 2020

Os Maias usavam um sistema de filtragem de água que ainda hoje é usado

Um grupo de arqueólogos que trabalhavam no local da antiga cidade maia de Tikal, no norte da Guatemala, encontraram um sofisticado sistema de filtragem de água que estaria milénios à frente de seu tempo.

Construída no final de um canal do reservatório de Corriental, uma fonte crítica de água potável para os maias, a mistura de zeólita e areia de quartzo na foz do canal teria removido a maioria dos contaminantes como cianobactérias e metais pesados ​​e ainda é usada em filtros de água modernos até hoje.


Tikal
Tikal, Photo//Pixabay//dezalb

Cinco principais motivos que podem ter levado ao fim da civilização Maia


O que é interessante é que este sistema que ainda hoje é eficaz foi descoberto pelos maias há mais de 2.000 anos”, disse Kenneth Tankersley, professor associado de antropologia da Universidade de Cincinnati, num comunicado.

Seria cerca de 2.000 anos a partir da data estimada de conclusão do sistema de filtração em Tikal que os mesmos materiais começariam a ser utilizados na Europa.

Foi provavelmente por meio de observação empírica muito inteligente que os antigos maias viram que esse material em particular estava associado à água limpa e utilizaram-no”, disse o professor de geografia da UC Nicholas Dunning, que estava envolvido na pesquisa.



Tankersley e Dunning publicaram um artigo de pesquisa juntos sobre a descoberta. De acordo com a declaração correspondente no site da universidade, a qualidade e a disponibilidade da água teriam sido uma grande preocupação para a florescente civilização maia no século 3 aC.

Embora Tikal e os maias que a construíram centralizassem as suas cidades em florestas tropicais, o solo calcário poroso significava que a água infiltrava-se rapidamente e, em períodos de seca prolongada, água parada como o reservatório de Corriental ficava contaminada com bactérias.

Durante a estação chuvosa, a cidade, que foi listada como Patrimônio da Humanidade pela UNESCO e pode ter abrigado cerca de 60.000 pessoas, era alimentada pela água da chuva de quatro reservatórios, sendo o Corriental o mais distante da cidade, a uma distância de cerca de 18 milhas.



Enquanto a "peneira molecular" intuitiva de areia de quartzo e zeólita filtrava a água em Corriental, os outros reservatórios mais próximos da cidade careciam desse sistema de filtragem, e foi a contaminação resultante combinada com um período de mudanças climáticas caracterizado pela redução das chuvas que causou o abandono do poderoso centro comercial e cerimonial da civilização maia do norte, durante o século IX.

As principais fontes de água para o núcleo do local de Tikal, especialmente os reservatórios do templo e do palácio, foram seriamente comprometidas como fontes de água potável no final do período clássico tardio”, escrevem Dunning e Tankersley no seu artigo.

Não eram apenas metais pesados ​​e bactérias que estavam sendo filtrados por Corriental, mas o mercúrio, um composto tóxico presente num pigmento chamado cinábrio que os maias usavam constantemente como decoração. Os reservatórios do Templo e do Palácio não tinham o sistema de filtragem necessário para remover o escoamento de mercúrio dos edifícios pintados de cinábrio, e as amostras de solo mostraram que durante o período antes do abandono os níveis de mercúrio poderiam ter sido dez vezes mais do que o tolerado.


Revelada nova teoria da extinção dos Maias


Não temos provas absolutas, mas temos fortes evidências circunstanciais”, disse Dunning.

Os antigos maias viviam num ambiente tropical e tinham que ser inovadores. Esta é uma inovação notável ”, disse Tankersley. "Os nativos americanos são vistos como não tendo a mesma engenharia ou tecnologia  de lugares como Grécia, Roma, Índia ou China. Mas, quando se trata de gestão de água, os maias estavam milénios à frente.


 A Humanidade é o resultado de pelo menos quatro linhagens ancestrais



Referencia//GoodNewsNetwork



Sem comentários:

Publicar um comentário