sábado, 21 de novembro de 2020

Cientistas israelitas descobrem maneira de reverter o envelhecimento humano

Anteriormente, o mesmo grupo de investigadores apontou os benefícios da oxigenoterapia para o cérebro humano, relatando melhorias significativas na função cognitiva e nas funções do tecido cerebral num grupo de controlo de voluntários idosos.

Um grupo de investigadores israelitas parece ter tropeçado em algo semelhante ao Santo Graal, encontrando uma maneira de levar o corpo humano “para trás no tempo”, não apenas retardando o envelhecimento, mas literalmente revertendo seus efeitos.


Oxigenoterapia-hiperbarica
Photo/Portal Esteticas

Da pandemia do Covid-19 á pandemia da fome


Falando ao The Jerusalem Post, o Dr. Shai Efrati do Shamir Medical Center em Be'er Ya'akov, explicou que um grupo de controlo de adultos saudáveis ​​com 65 anos ou mais experimentou uma reversão do processo de envelhecimento quando colocado em uma câmara pressurizada e inalando oxigênio puro, 90 minutos por dia, cinco dias por semana durante um período de três meses.

Não estamos apenas desacelerando o declínio, estamos retrocedendo no tempo”, disse o Dr. Efrati ao jornal, observando que as mudanças no nível celular observadas nos corpos do grupo de ensaio foram equivalentes ao que teriam sido um quarto de um século antes.

Efrati, que também é professor associado de medicina na Sackler Faculty of Medicine e na Sagol School of Neuroscience da Tel Aviv University, diz que embora os efeitos a longo prazo da terapia ainda precisem ser determinados em verificações de acompanhamento, a ciência sugere que a oxigenoterapia realmente tem o potencial de reverter o envelhecimento e prolongar a vida.



Sabemos que pessoas com telómeros mais curtos morrem mais cedo, então faz sentido”, disse ele, referindo-se às tampas no final de cada fita de DNA que protegem nossos cromossomas de danos durante a replicação. À medida que as células se replicam, os telómeros dos cromossomas tornam-se cada vez mais curtos, causando o envelhecimento.

Os telómeros foram descobertos pelo biólogo soviético Alexei Olovnikov no início dos anos 70, que por sua vez apresentou a hipótese dos telómeros de envelhecimento e postulou que o encurtamento destes está associado ao mau funcionamento celular, levando à prevalência de certas deficiências e doenças relacionadas à idade, incluindo câncer.

O estudo de Efrati e co escrito por mais de uma dúzia de outros médicos, neurocientistas, radiologistas e investigadores israelitas e publicado no Aging, um jornal revisado por pares, observou 35 adultos saudáveis ​​em idade de reforma, submetendo-os à oxigenoterapia hiperbárica com oxigenação taxa de 100 por cento e pressão ambiental acima de uma atmosfera absoluta para aumentar a quantidade de O2 absorvida pelos tecidos do corpo.



As sessões de 90 minutos incluíram intervalos de 20 minutos nos quais foi solicitado aos participantes do estudo para remover as suas máscaras por cinco minutos de cada vez para colocar os níveis de oxigênio de volta ao normal, o que no nível celular foi interpretado como falta de oxigênio, o que Efrati especula é o que ajudou a causar a regeneração celular.

Na sua entrevista com JP, Efrati alertou as pessoas para não tentarem a experiencia em casa. “Há muito lixo por aí”, disse ele, referindo-se a muitas das chamadas ferramentas hiperbáricas disponíveis no mercado. “Não é isso que estamos usando nos estudos, não é eficaz, e além disso, pode ser perigoso”, frisou.


É possível um futuro sustentável e sem pobreza para toda a humanidade

 

Em última análise, o médico sugeriu que, embora mais pesquisas precisem ser feitas, o trabalho de sua equipa oferece a primeira prova em nível celular de que o envelhecimento pode ser revertido, acrescentando que “dá esperança e abre a porta para muitos jovens cientistas abordarem o envelhecimento como uma doença reversível. ”

O conceito de medicina hiperbárica existe há séculos, e seu primeiro uso documentado ocorreu em 1662 por um cientista na Grã-Bretanha . As câmaras hiperbáricas tornaram-se uma moda entre os ricos da Europa no final do século 19 e foram usadas pela primeira vez como um tratamento para a doença descompressiva nos anos trinta. O interesse público pela medicina hiperbárica cresceu nos anos 50 e 60 como auxílio terapêutico para cirurgia cardíaca, inibidor de certas doenças e tratamento para envenenamento por monóxido de carbono. As câmaras hiperbáricas acabariam sendo usadas em hospitais, marinhas, organizações de mergulho profissional e instalações de recompressão dedicadas, e são comercializadas com vários níveis de sucesso para uso doméstico para os ricos. Nações como a Rússia e a China têm décadas de experiência no uso de oxigenoterapia hiperbárica para ajudar a tratar dezenas de doenças.


A mudança climática provavelmente causou a extinção das primeiras espécies humanas



Referencia//SputnikNews



Sem comentários:

Publicar um comentário