sábado, 3 de outubro de 2020

Trinta e um milhões de pessoas em risco devido ás inundações costeiras

Trinta e um milhões de pessoas que vivem em deltas de rios correm alto risco de sofrer inundações e outros impactos devido a ciclones tropicais e mudanças climáticas, de acordo com um estudo realizado por investigadores da Universidade de Indiana.

"Até o momento, ninguém quantificou com sucesso a população mundial nos deltas dos rios e avaliou os impactos das mudanças climáticas", disse Douglas Edmonds, presidente da cadeira Malcolm e Sylvia Boyce do Department of Earth and Atmospheric Sciences e principal autor do estudo. "Como os deltas de rios há muito são reconhecidos como focos de crescimento populacional e com o aumento dos impactos das mudanças climáticas, percebemos que precisamos quantificar adequadamente quais são os riscos nos deltas de rios."


Inundaçoes-alemanha
Photo//Carsten Rehder/AFP

Aquecimento global ultrapassa o pior cenário climático


As descobertas são o resultado de uma colaboração facilitada pelo IU's Institute for Advanced Study com o apoio do Environmental Resilience Institute.

A análise da equipa mostra que deltas de rios ocupam 0,5% da superfície terrestre da Terra, mas contêm 4,5% da população mundial um total de 339 milhões de pessoas. Como os deltas dos rios se formam no oceano ao nível do mar ou abaixo dele, são altamente propensos a tempestades, que devem ocorrer com mais frequência devido ao aumento do nível do mar alimentado pelas mudanças climáticas e inundações costeiras.

No estudo, os Investigadores da IU analisaram essas regiões geográficas, que incluem cidades como New Orleans, Bangkok e Xangai, usando um novo conjunto de dados para determinar quantas pessoas vivem nos deltas de rios, quantas são vulneráveis ​​a um evento de tempestade de 100 anos, e a capacidade dos deltas de mitigar naturalmente os impactos das mudanças climáticas.



"Os deltas dos rios apresentam desafios especiais para a previsão de inundações costeiras que merecem mais atenção nas discussões sobre os impactos futuros das mudanças climáticas", disse o ilustre professor de antropologia da IU Eduardo Brondizio, co-autor do estudo que tem trabalhado com comunidades rurais e urbanas no delta da Amazônia nas ultimas 3 décadas. "As nossas estimativas são provavelmente mínimas porque os modelos de ondas de tempestade e inundações não levam em consideração as interações compostas dos impactos climáticos, infraestrutura deficiente e alta densidade populacional."

Além da ameaça de enchentes, muitos dos residentes nos deltas dos rios são da classe media/baixa e sofrem com a poluição da água, solo e ar, com habitações pobres e acesso limitado aos serviços públicos. De acordo com o estudo, das 339 milhões de pessoas que vivem em deltas em todo o mundo, 31 milhões dessas pessoas vivem nas planícies de inundação de tempestades de 100 anos. Para piorar as coisas, 92% dos 31 milhões vivem em economias em desenvolvimento ou pouco desenvolvidas. Como resultado, algumas das populações mais desfavorecidas estão entre as que mais correm o risco de sofrer os impactos das mudanças climáticas.


Cientistas alertam que eventos climáticos extremos estão piorando


Essas comunidades já estão lidando com riscos à saúde, falta de saneamento e serviços, pobreza e exposição a enchentes e outros riscos ambientais. As mudanças climáticas estão agravando todas essas questões e criando mais impactos”, disse Brondizio.

Para conduzir seu estudo, os pesquisadores criaram um conjunto de dados global de populações e áreas delta, agregando 2.174 localizações delta. Eles então cruzaram o conjunto de dados com uma contagem da população da terra para determinar quantas pessoas viviam nos deltas. Para determinar a capacidade natural de mitigação dos deltas, os investigadores analisaram o volume de sedimentos que são depositados pelos rios e outras vias navegáveis ​​que correm para o mar. O volume de sedimento depositado foi comparado com a área relativa do delta para determinar se o delta seria considerado incapaz de mitigar naturalmente as inundações.

Décadas de engenharia expandiram a área habitável de deltas de rios, mas também privaram as regiões de sedimentos para evitar enchentes. Sem que os sedimentos sejam renovados naturalmente, as linhas costeiras continuarão a recuar, agravando os impactos das tempestades

"Para nos prepararmos efetivamente para futuras inundações costeiras mais intensas, precisamos reformulá-las como um problema que impacta desproporcionalmente as pessoas nos deltas dos rios em economias em desenvolvimento e menos desenvolvidas", disse Edmonds. “Precisamos de melhores modelos para os impactos climáticos que sejam capazes de estimular inundações compostas em áreas densamente povoadas para que a exposição e o risco possam ser mapeados para avaliar com mais precisão o risco e a vulnerabilidade”.


Nos últimos 50 anos, o planeta perdeu dois terços da vida selvagem


Referencia//ScienceDaily



Sem comentários:

Publicar um comentário