domingo, 11 de outubro de 2020

Quanto tempo o vírus SARS-Cov-2 “sobrevive” nas superfícies?

Investigadores da CSIRO, agência nacional de ciência da Austrália, descobriram que o SARS-CoV-2, o vírus responsável pelo COVID-19, pode sobreviver por até 28 dias em superfícies comuns, incluindo vidro como aquele encontrado em telas de smartphones, e aço inoxidável.



Sars-cov-2
Photo//CSCIRO


Certas doenças já existentes podem dobrar, ou triplicar o risco de mortalidade para COVID-19


A pesquisa, realizada no Australian Centre for Disease Preparedness (ACDP) em Geelong, descobriu que o SARS-CoV-2:

-sobreviveu mais em temperaturas mais baixas

-tendeu a sobreviver mais em superfícies não porosas ou lisas, como vidro, aço inoxidável e vinil, em comparação com superfícies complexas porosas, como algodão

-sobreviveu mais em notas de papel do que em notas de plástico.

O resultado do estudo o efeito da temperatura na persistência do SARS-CoV-2 em superfícies comuns foi publicado no Virology Journal .

O presidente-executivo da CSIRO, Dr. Larry Marshall, disse que a pesquisa de sobrevivência em superfícies baseia-se noutro trabalho COVID-19 da agência científica nacional, incluindo testes de vacinas, testes de águas residuais, fabricação e certificação de Equipamentos de Proteção Individual (PPE) .


O que é o dexametasona, o 'novo' medicamento para o COVID-19


"Estabelecer por quanto tempo o vírus realmente permanece ativo em superfícies permite-nos prever e mitigar sua disseminação com mais precisão, e fazer um trabalho melhor de proteger nosso povo", disse o Dr. Marshall.

"Juntos, esperamos que este conjunto de soluções da ciência derrube as barreiras entre nós e mude o foco para lidar com pontos críticos de vírus específicos para que possamos colocar a economia no seu lugar”.

"Nós só podemos derrotar esse vírus como Equipa Austrália, com a melhor ciência australiana, trabalhando ao lado da indústria, governo, pesquisa e comunidade australiana."

A Dra. Debbie Eagles é a Diretora Adjunta da ACDP, tem trabalhado tanto para entender o vírus, para testar uma vacina.

"Os resultados mostram que o SARS-CoV-2 pode permanecer infecioso em superfícies por longos períodos, reforçando a necessidade de boas práticas, como a lavagem regular das mãos e limpeza das superfícies", disse a Dra. Eagles.



A 20 graus Celsius, que é aproximadamente a temperatura ambiente, descobrimos que o vírus era extremamente robusto, sobrevivendo durante 28 dias em superfícies lisas, como vidros encontrados em telas de telefones celulares e notas de plástico”.

"Para o contexto, experiencias semelhantes para Influenza A descobriram que ele sobreviveu em superfícies por 17 dias, o que destaca a resistência do SARS-CoV-2."

A pesquisa envolveu a secagem do vírus num muco artificial em diferentes superfícies, em concentrações semelhantes às relatadas em amostras de pacientes infetados, e o re-isolamento do vírus ao longo de um mês.


Certas doenças já existentes podem dobrar, ou triplicar o risco de mortalidade para COVID-19

 

Outras experiências foram realizadas a 30 e 40 graus Celsius, com os tempos de sobrevivência diminuindo com o aumento da temperatura.

O estudo também foi realizado no escuro, para remover o efeito da luz ultravioleta, pois as pesquisas demonstraram que a luz solar direta pode inativar rapidamente o vírus.

"Embora o papel preciso da transmissão de superfície, o grau de contato de superfície e a quantidade de vírus necessária para a infeção ainda não tenham sido determinados, estabelecer por quanto tempo este vírus permanece ativo em superfícies é fundamental para o desenvolvimento de estratégias de mitigação de risco em áreas de alto contato". Disse a Dra. Eagles.

O diretor do ACDP, Professor Trevor Drew, disse que muitos vírus permaneceram ativos ​​em superfícies fora de seu hospedeiro.


A Covid-19 não é apenas uma doença respiratória


"Quanto tempo eles podem sobreviver e permanecer infeciosos depende do tipo de vírus, quantidade, superfície, condições ambientais e como ele é depositado, por exemplo, toque versus gotículas emitidas pela tosse. Proteínas e gorduras nos fluidos corporais também podem aumentar significativamente o tempo de sobrevivência do vírus”, disse o professor Drew.

"A pesquisa também pode ajudar a explicar a aparente persistência e disseminação do SARS-CoV-2 em ambientes frios com alta contaminação de lipídios ou proteínas, como instalações de processamento de carnes e como podemos lidar melhor com esse risco."


O coronavírus pode sobreviver na pele humana durante 9 horas


Referencia//Eurekalert




Sem comentários:

Publicar um comentário