sexta-feira, 9 de outubro de 2020

O coronavírus pode sobreviver na pele humana durante 9 horas

O novo coronavírus pode permanecer na pele humana por muito mais tempo do que os vírus da gripe, de acordo com um novo estudo de investigadores japoneses.

O SARS-CoV-2, o vírus que causa o COVID-19, permaneceu ativo em amostras de pele humana por cerca de 9 horas, de acordo com o estudo. Em contraste, uma cepa do vírus influenza A (IAV) permaneceu ativo na pele humana por cerca de 2 horas.

Felizmente, os dois vírus na pele foram rapidamente inativados com álcool gel.


Coronavirus-na-pele-humana
Photo//Shutterstock

Descoberto principal fator responsável pela disseminação do coronavírus


Os resultados ressaltam a importância de lavar as mãos ou usar álcool gel para evitar a propagação de COVID-19.

Este estudo mostra que o SARS-CoV-2 pode ter um risco maior de transmissão por contato ou seja, transmissão por contato direto do que o IAV porque o primeiro é muito mais estável na pele humana do que o último”, escreveram os autores em seu artigo, que foi publicados em 3 de outubro na revista científica Clinical Infectious Diseases. “Essas descobertas apoiam a hipótese de que a higiene adequada das mãos é importante para a prevenção da disseminação da SARS-CoV-2.”


A OMS afirma que a Europa está a caminho de outra crise pandémica


No início da pandemia, pesquisadores nos EUA analisaram quanto tempo o SARS-CoV-2 poderia durar em superfícies e descobriram que permanecia viável em superfícies de cobre por até 4 horas, em papelão por até 24 horas e em plástico e aço inoxidável por até a 72 horas. No entanto, por razões éticas, examinar quanto tempo o vírus pode durar na pele humana é mais complicado, não se deve colocar amostras de um vírus potencialmente mortal nas mãos das pessoas.

Portanto, para o novo estudo, os pesquisadores, da Universidade de Medicina da Prefeitura de Kyoto, no Japão, criaram um modelo de pele usando amostras de pele humana obtidas em autópsias. As amostras foram recolhidas aproximadamente um dia após a morte. Os autores observam que mesmo 24 horas após a morte, a pele humana ainda pode ser usada para enxertos de pele, o que significa que ela retém grande parte de sua função por algum tempo após a morte. Assim, as amostras obtidas poderiam ser um modelo adequado para pele humana, argumentaram os autores.



Usando seu modelo, os autores descobriram que o SARS-CoV-2 sobreviveu nas amostras de pele humana por 9,04 horas, em comparação com 1,82 horas para o vírus influenza A. Quando esses vírus eram misturados ao muco, para imitar a libertação de partículas virais numa tosse ou espirro, o SARS-CoV-2 durava ainda mais tempo, cerca de 11 horas.

No entanto, ambos os vírus foram inativados na pele 15 segundos após o uso de um desinfetante para as mãos com etanol a 80%.


Quem usa óculos tem 5 vezes menos hipóteses de apanhar COVID-19


A higiene adequada das mãos … leva à rápida inativação viral do SARS-CoV-2 e pode reduzir o alto risco de infeções de contato”, afirmaram os autores.

Os autores observam que seu estudo não considerou a “dose infeciosa” de SARS-CoV-2, ou seja, a quantidade de partículas de vírus necessárias para causar uma infeção em alguém pelo contato com pele contaminada, e portanto pesquisas futuratambém devem examinar esta questão




Referencia//LiveScience



1 comentário: