sexta-feira, 16 de outubro de 2020

Estudo militar explica porque é difícil contrair COVID-19 em aviões

Novo estudo científico conduzido por militares dos EUA aponta que o risco de se contrair COVID-19 a bordo de aeronaves comerciais é muito baixo, independente do lugar do assento.

De acordo com o portal Military, que teve acesso ao estudo, este concluiu que, devido à sofisticada filtragem das partículas no ar, em conjunto com os sistemas de ventilação das aeronaves, tais partículas são rapidamente eliminadas.


Airplane-seats
Photo/Pixabay//ty_yang


Cientistas estão testando uma vacina com 99 anos na Covid-19


Para chegar a tal conclusão, a Agência de Projetos de Pesquisa de Defesa Avançada (DARPA, na sigla em inglês) dos EUA, em conjunto com o Comando de Transporte dos EUA, o Comando de Mobilidade Aérea e oficiais da Defesa americana, levou em consideração a filtragem de partículas no ar e os sistemas de ventilação nas aeronaves Boeing 737-300 e Boeing 777-200.

"Os resultados positivos são atribuídos à combinação de altos níveis de substituição do ar nas estruturas de ventilação, juntamente com a grande eficiência dos sistemas de recirculação de ar e o desenho de ventilação de fluxo de ar para baixo, que resulta na rápida diluição e purificação das partículas disseminadas", afirmou o vice-almirante Dee L. Mewbourne durante uma videoconferência com jornalistas, publicou o portal Military.com.


Quanto tempo o vírus SARS-Cov-2 “sobrevive” nas superfícies?


Voo seguro

Por sua vez, comentando o risco de infeção nas aeronaves estudadas, o tenente-coronel da Marinha Joseph Pope, diretor de operações do Comando de Transporte para o teste, disse:

"Todas as áreas em ambas as aeronaves provaram ser extremamente eficientes na dispersão e filtragem das partículas de aerossol."

Nos testes, foram lançados dois tipos de aerossóis com traços de DNA específicos, utilizando material fluorescente para que visualmente fosse possível determinar o trajeto das partículas, estando as aeronaves tanto no solo como em voo.



As partículas foram diluídas rapidamente, permanecendo detetáveis por menos de seis minutos em média.

Em comparação, uma típica residência americana leva cerca de 90 minutos para ter seu ar livre de tais partículas.

Segundo o estudo, o risco de contaminação seria tão baixo que passageiros poderiam voar durante muitas horas sem serem infetados, tendo em vista que seriam necessárias "54 horas ao lado de uma pessoa infetada na classe económica", e outras 100 horas nas outras classes de ambas as aeronaves para um passageiro se expor a uma dose [de partículas virais] de forma a ocorrer a infeção.


Certas doenças já existentes podem dobrar, ou triplicar o risco de mortalidade para COVID-19


Uso da máscara no avião

Outro fator considerado foi o uso de máscaras dentro dos aviões.

Simulando tosse dentro das aeronaves, a taxa de aerossol saindo de manequins usado máscaras foi 95% menor do que sem elas.

Contudo, os testes não levaram em consideração quando os passageiros andam pela cabine, trocando de lugares ou virando-se para conversar.



Aeroportos da Europa vão tentar os testes rápidos COVI-19


Referencia//SputnikNews




Sem comentários:

Publicar um comentário