terça-feira, 20 de outubro de 2020

Elixires orais podem inativar coronavírus humanos, segundo estudo

Certos anti sépticos e elixires orais podem ter a capacidade de inativar coronavírus humanos, de acordo com um estudo de pesquisa do Penn State College of Medicine.

 Os resultados indicam que alguns desses produtos podem ser úteis para reduzir a carga viral, ou quantidade de vírus, na boca após a infeção e podem ajudar a reduzir a disseminação do SARS-CoV-2, o coronavírus que causa o COVID-19.


elixir-oral
Photo//shutterstock


Localizado o ponto fraco dos coronavírus


Craig Meyers, distinto professor de microbiologia e imunologia e obstetrícia e ginecologia, liderou um grupo de médicos e cientistas que testaram vários elixires orais e nasofaríngeos num laboratório quanto à capacidade de inativar coronavírus humanos, que são semelhantes em estrutura ao SARS-CoV- 2. Os produtos avaliados incluem uma solução a 1% de shampoo para bebès, lota, elixires orais à base de água oxigenada.

Os investigadores descobriram que vários dos bochechos nasais e orais têm uma forte capacidade de neutralizar o coronavírus humano, o que sugere que esses produtos podem ter o potencial de reduzir a quantidade de vírus espalhado por pessoas positivas para Covid-19.

"Enquanto esperamos pelo desenvolvimento de uma vacina, são necessários métodos para reduzir a transmissão", disse Meyers. "Os produtos que testamos estão prontamente disponíveis e muitas vezes já fazem parte da rotina diária das pessoas."



Meyers e os colegas usaram um teste para replicar a interação do vírus nas cavidades nasais e orais com os bochechos. As cavidades nasais e orais são os principais pontos de entrada e transmissão dos coronavírus humanos. Eles trataram soluções contendo uma cepa de coronavírus humano, que serviu como alternativa prontamente disponível e geneticamente similar para SARS-CoV-2, com as soluções de shampoo para bebés, vários elixires anti sépticos com peróxido e várias marcas de elixires orais. Eles permitiram que as soluções interagissem com o vírus durante 30 segundos, um minuto e dois minutos, antes de diluir as soluções para evitar mais inativação do vírus.

Para medir a quantidade de vírus inativada, os cientistas colocaram as soluções diluídas em contato com células humanas em cultura. Eles contaram quantas células permaneceram vivas após alguns dias de exposição à solução viral e usaram esse número para calcular a quantidade de coronavírus humano que foi inativado como resultado da exposição ao elixir oral testado. Os resultados foram publicados no Journal of Medical Virology .



A solução de shampoo para bebés a 1%, inativou mais de 99,9% do coronavírus humano após um contato de dois minutos. Vários produtos para bochechos e gargarejos também foram eficazes na inativação do vírus infecioso. Muitos inativaram mais de 99,9% do vírus após apenas 30 segundos do tempo de contato e alguns inativaram 99,99% do vírus após 30 segundos.

De acordo com Meyers, os resultados com elixires orais são promissores e se somam aos achados de um estudo que mostra que certos tipos de podem inativar o SARS-CoV-2 em condições experimentais semelhantes. Além de avaliar as soluções em tempos de contato mais longos, eles estudaram produtos de venda livre e elixires nasais que não foram avaliados no outro estudo. Meyers disse que o próximo passo para expandir esses resultados é projetar e conduzir ensaios clínicos que avaliem se produtos como estes podem efetivamente reduzir a carga viral em pacientes COVID-19-positivos.


Cientistas estão testando uma vacina com 99 anos na Covid-19


 "As pessoas com teste positivo para COVID-19 que voltam para casa para a quarentena podem transmitir o vírus para aqueles com quem vivem", disse Meyers, investigador do Penn State Cancer Institute. "Certas profissões, incluindo dentistas e outros profissionais de saúde, correm um risco constante de exposição. Os ensaios clínicos são necessários para determinar se esses produtos podem reduzir a quantidade de vírus COVID positivos ou aqueles com ocupações de alto risco podem se espalhar enquanto falam, tossem ou espirram. Mesmo que o uso dessas soluções pudesse reduzir a transmissão em 50%, teria um grande impacto. "

Estudos futuros podem incluir uma investigação contínua de produtos que inativam os coronavírus humanos e quais ingredientes específicos nas soluções testadas inativam o vírus.

 

Janice Milici, Samina Alam, David Quillen, David Goldenberg e Rena Kass da Penn State College of Medicine e Richard Robison da Brigham Young University também contribuíram para esta pesquisa.

 A pesquisa foi financiada por fundos do Penn State Huck Institutes for the Life Sciences. Os investigadores declaram não haver conflito de interesses.


Quanto tempo o vírus SARS-Cov-2 “sobrevive” nas superfícies?


Referencia//Sciencedaily





Sem comentários:

Publicar um comentário