quinta-feira, 8 de outubro de 2020

Certas doenças já existentes podem dobrar, ou triplicar o risco de mortalidade para COVID-19

Um grande estudo internacional em pacientes COVID-19 confirmou que doenças cardiovasculares, hipertensão, diabetes, insuficiência cardíaca congestiva, doença renal cronica, derrame e câncer podem aumentar o risco de um paciente morrer por causa do vírus. 

Investigadores do Penn State College of Medicine dizem que suas descobertas podem ajudar as autoridades de saúde pública a melhorar o atendimento aos doentes e desenvolver intervenções que podem ajudar essas populações de alto risco.


doentes-covid-19
Photo//Jornal Sol/Sapo

Aeroportos da Europa vão tentar os testes rápidos COVI-19


Os investigadores descobriram que as doenças cardiovasculares podem dobrar o risco de um paciente morrer de COVID-19. Eles também descobriram que outras condições pré-existentes podem aumentar o risco de morte de um paciente com COVID-19 em uma e meia a três vezes.

"Este estudo sugere que essas condições cronicas não são comuns apenas em pacientes com COVID-19, mas sua presença é um sinal de alerta para um maior risco de morte", disse o Dr. Paddy Ssentongo, estudante de doutorado em epidemiologia na Faculdade de Medicina e professor assistente de pesquisa no Departamento de Engenharia, Ciência e Mecânica da Penn State. "Há uma alta prevalência de doenças cardiovasculares e hipertensão em todo o mundo e, em particular, nos Estados Unidos. Com a persistência do COVID-19 nos Estados Unidos, essa ligação torna-se crucialmente importante."

A equipa de pesquisa conduziu uma revisão sistemática e meta-análise de estudos publicados de dezembro de 2019 até o início de julho de 2020, para determinar quais condições crónicas colocam pacientes hospitalizados em risco de morrer por COVID-19. Eles exploraram 11 condições coexistentes que representam um risco de doença grave e morte entre pacientes COVID-19, incluindo doença cardiovascular, diabetes, hipertensão, câncer, doença renal crónica, doença pulmonar obstrutiva crônica, acidente vascular cerebral, insuficiência cardíaca congestiva, asma, doença hepática crônica e HIV / AIDS.


A OMS afirma que a Europa está a caminho de outra crise pandémica


Ssentongo e colegas analisaram dados de mais de 65.000 doentes de 25 estudos em todo o mundo. Os doentes nos estudos selecionados tinham uma idade média de 61 anos. Eles descobriram que certas condições de saúde pré-existentes afetavam as taxas de sobrevivência mais do que outras. Quando comparados a pacientes com COVID-19 hospitalizados sem doenças pré-existentes, os investigadores determinaram que pacientes com diabetes e câncer têm 1,5 vez mais probabilidade de morrer, pacientes com doença cardiovascular, hipertensão e insuficiência cardíaca congestiva têm duas vezes mais probabilidade de morrer e pacientes com doença renal cronica tem três vezes mais probabilidade de morrer.

"Embora a comunidade de saúde tenha circulado informações anedóticas sobre o impacto desses fatores de risco na mortalidade de COVID-19, nossa revisão sistemática e meta-análise é a mais abrangente até o momento que tenta quantificar o risco", disse Vernon Chinchilli, ilustre professor e presidente de ciências da saúde pública e autor desta pesquisa. “Como a pandemia COVID-19 continua até 2020 e provavelmente até 2021, esperamos que outros investigadores deem continuidade ao nosso trabalho”.



Os investigadores disseram que estudos anteriores explorando a associação de condições crônicas pré-existentes e mortalidade por COVID-19 tiveram limitações no número de países incluídos, no número de estudos incluídos e no número de condições exploradas. Eles também disseram que esses estudos têm fontes não abordadas de preconceito que limitam as conclusões que podem ser tiradas deles.

"Adotamos uma abordagem global e abrangente para este estudo, examinando 11 condições cronicas e incluindo pacientes de quatro continentes: Ásia, Europa, América do Norte e África", acrescenta Ssentongo. "A pesquisa sugere que o SARS-CoV-2, o vírus que causa COVID-19, pode se tornar sazonal e exigir vacinação anual. Assim que uma vacina aprovada e eficaz estiver disponível, os indivíduos de alto risco com essas condições pré-existentes devem receber prioridade de vacinação para prevenir altas taxas de mortalidade. "


Quem usa óculos tem 5 vezes menos hipóteses de apanhar COVID-19


Mesmo que mais pesquisas sejam necessárias para compreender completamente os riscos e implicações para a saúde, particularmente na compreensão dos efeitos da raça e etnia nas taxas de sobrevivência do COVID-19, Ssentongo disse que essas descobertas podem ajudar a informar estratégias globais de prevenção e tratamento.

Os investigadores Djibril Ba, Emily Heilbrunn e Anna Ssentongo do Penn State College of Medicine também contribuíram para esta pesquisa, não tendo recebido financiamento específico para este estudo e declaram não haver conflitos de interesse.


Descoberto principal fator responsável pela disseminação do coronavírus


Referencia/Eurekalert




Sem comentários:

Publicar um comentário