terça-feira, 8 de setembro de 2020

Cientistas reciclam baterias de lítio com cascas de laranja

Só porque uma bateria de íons de lítio não tem mais carga, não significa que ela não tem mais valor. Ele ainda contém metais úteis, que agora podem ser recuperados por meio de uma técnica mais ecológica onde o ingrediente principal são os resíduos da casca de laranja.
Normalmente, num processo de fundição, as baterias de lítio usadas são aquecidas a mais de 500 ºC . Isso faz com que os metais contidos derretam e se separem. Esses metais são recolhidos e reutilizados. No entanto, o processo não apenas requer muita energia, mas também produz gases tóxicos.


Bateria-de-ion-de-litio



Empresa norte americana desenvolve bateria “nuclear” eterna


Uma alternativa possível envolve triturar as baterias usadas e, em seguida, separar os metais adicionando ácidos e peróxido de hidrogénio enquanto se aquece a mistura. Essa técnica ainda experimental, conhecida como hidrometalurgia , é mais ecológica do que a fundição. No entanto, em escala industrial, ainda pode produzir uma quantidade significativa de poluentes.
Agora, os cientistas da Universidade Tecnológica de Nanyang de Singapura tentaram usar cascas de laranja em vez dos ácidos e peróxido de hidrogénio. Mais especificamente, eles utilizaram cascas de laranja secas no forno previamente reduzidas a pó, combinadas com ácido cítrico.


Com essa técnica, os investigadores foram capazes de extrair cerca de 90 por cento do lítio, cobalto, níquel e manganês das baterias de íon de lítio usadas. Este nível de eficiência é aproximadamente o que havia sido alcançado anteriormente. É importante ressaltar, porém, que ao usar as cascas de laranja, os resíduos foram considerado não tóxicos.
A chave está na celulose existente na casca da laranja, que é convertida em açúcares pelo calor durante o processo de extração”, diz Asst. Prof Dalton Tay, um dos líderes do estudo. "Esses açúcares aumentam a recuperação de metais de resíduos de bateria. Os antioxidantes naturais encontrados na casca de laranja, como flavonóides e ácidos fenólicos, também podem ter contribuído para esse aumento."



Os cientistas usaram os metais recuperados para fabrico de novas baterias de íon-lítio, que têm uma capacidade de carga semelhante à dos modelos disponíveis no mercado. Mais testes estão sendo conduzidos agora, para ver se as novas baterias têm a duração e o numero comparável de ciclos de carga / descarga.



Hyperion XP-1, o automóvel a hidrogénio com autonomia de 1.635 Km.

Referencia//New Atlas


Sem comentários:

Publicar um comentário