terça-feira, 22 de setembro de 2020

Airbus aposta em aeronaves movidas a hidrogénio e zero emissões

 De acordo com um estudo internacional recente, a aviação é responsável por 3,5 por cento de todas as atividades humanas que impulsionam as mudanças climáticas. Atenta ao problema, a Airbus olha para um futuro mais limpo para a indústria de aeronaves comerciais, onde o combustível a utilizar será o hidrogénio de emissões zero.

Com a revelação de hoje de três designs conhecidos coletivamente como os conceitos ZEROe, a empresa procura estar na frente dos esforços para descarbonizar a indústria da aviação e tem como objetivo colocar em serviço a primeira aeronave movida a hidrogénio já em 2035.



Aeronaves-zero-emissões
Photo //Airbus

Virgin Galactic avança com projeto para um avião supersónico de passageiros


"Este é um momento histórico para o setor de aviação comercial como um todo e pretendemos desempenhar um papel de liderança na transição mais importante que este setor", disse o CEO da Airbus, Guillaume Faury. "Os conceitos que revelamos hoje oferecem ao mundo um vislumbre de nossa ambição de conduzir uma visão ousada para o futuro da aviação comercial com emissões zero. Acredito firmemente que o uso de hidrogénio, tanto em combustíveis sintéticos quanto como fonte primária de energia para aeronaves comerciais, tem potencial para reduzir significativamente o impacto climático da aviação. "

Neste estágio, como é de esperar, os detalhes são escassos, mas sabemos que um dos conceitos é baseado em um projeto de turbofan que deve ter um alcance de mais de 2.000 milhas náuticas ( 3.700 km) e será capaz de transportar entre 120 e 200 passageiros. Os motores de turbina a gás serão modificados para funcionar com hidrogénio líquido em vez de combustível de jato, estando o hidrogénio armazenado em tanques localizados atrás da antepara de pressão traseira.



Depois há uma aeronave para 100 passageiros que usará turboélices em vez de um projeto turbofan. Novamente, ele empregará motores de turbina a gás modificados, mas vocacionado para voos curtos, com um alcance esperado de 1.000 milhas ( 1.852 km) ou mais.

O terceiro conceito oferecido pela Airbus é sem dúvida o mais impressionante visualmente. Projetado para transportar até 200 passageiros, esta aeronave possui um "corpo de asa mista" que permite várias configurações de armazenamento de combustível e layout de cabine. Ele apresenta um conjunto turbofan na parte traseira e deve ter autonomia para mais de 2.000 milhas náuticas.


Novo avião a hélice, de luxo, com velocidade de um jato e o consumo de um carro


Essas mudanças ecológicos certamente ajudariam a limpar nossos céus, mas como observamos anteriormente, a produção de hidrogénio "pode ​​variar de relativamente entre a verde (eletrólise de água doce usando energia solar ou eólica) e a não verde  gaseificação do carvão marrom) que é a forma mais barata"

Embora existam sinais promissores para a produção de hidrogénio limpo e verde nos próximos anos, a Airbus também reconhece que novas infraestruturas de apoio para uma indústria de aviação movida a hidrogênio também serão necessárias, incluindo o aumento da produção de hidrogénio e investimento em infraestrutura de transporte e abastecimento.

A transição para o hidrogénio, como fonte de energia primária para esses aviões conceituais, exigirá ações decisivas de todo o ecossistema da aviação”, acrescentou Faury. "Juntamente com o apoio do governo e de parceiros industriais, podemos enfrentar este desafio de aumentar a escala de energia renovável e hidrogénio para o futuro sustentável da indústria da aviação."


Boom e Rolls-Royce projetam regresso á aviação supersônica


Referencia//Airbus


Sem comentários:

Publicar um comentário