terça-feira, 18 de agosto de 2020

Ponto fraco no campo magnético da Terra deverá dividir-se em dois

Os geólogos começaram a expressar preocupações sobre o campo magnético que protege a Terra da radiação solar mortal em 2019, quando a Administração Oceânica e Atmosférica dos EUA foi forçada a atualizar seu Modelo Magnético Mundial um ano antes de descobrir que o polo norte magnético estava se movendo rapidamente para fora do Ártico canadense e em direção à Sibéria.
A Administração Nacional de Aeronáutica e Espaço dos Estados Unidos está rastreando uma "depressão" imensa, crescente e que lentamente se divide no campo magnético da Terra.




A área, conhecida como Anomalia do Atlântico Sul, está situada no hemisfério sul entre a América do Sul e o Oceano Atlântico sul na costa do sudoeste da África. De acordo com a monitorização e modelagem recentes da NASA, a área está se expandindo para o oeste e se tornando mais fraca, devendo-se dividir em breve, em duas células separadas, cada uma medindo milhares de quilómetros de diâmetro.
A NASA diz que o enfraquecimento do campo magnético nesta área ameaça permitir que mais radiação solar se aproxime da superfície da Terra, causando problemas na electrónica e interferindo ou desativando temporariamente satélites e outros objetos espaciais feitos pelo homem que passam por ela.




Na modelagem que vai até o ano 2025, a NASA prevê que a Anomalia do Atlântico Sul continuará a crescer, com o maior dos dois globos continuando a se espalhar pela América do Sul central, e o menor permanecendo na costa sudoeste da África do Sul.
O campo magnético protetor da Terra é gerado por uma série de fatores, sendo o mais importante a agitação do ferro líquido que flui dentro do núcleo do planeta, que cria as correntes elétricas enviadas para o espaço que o criam.
Acredita-se que um enorme reservatório de rocha densa conhecido como "Grande Província de Baixa Velocidade de Cisalhamento" africana, ou superpluma africana, causa uma perturbação na geração do campo, resultando em um enfraquecimento regional do campo magnético. Uma segunda superpluma massiva está localizada sob o Oceano Pacífico, a nordeste da Austrália.





Os cientistas ainda têm muito mais a aprender sobre a Anomalia do Atlântico Sul e as implicações que ela pode ter na nossa existência. No mês passado, por exemplo, cientistas do Laboratório de Geomagnetismo da Universidade de Liverpool descobriram que a Anomalia do Atlântico Sul provavelmente existe há milhões de anos, estudando rochas vulcânicas da remota ilha de Santa Helena no Atlântico Sul.
No ano passado, a rápida mudança das coordenadas do polo magnético norte do Ártico canadense em direção à Sibéria levou alguns cientistas a expressarem preocupações de que a Terra poderia estar prestes a inverter seus polos magnéticos norte e sul. Acredita-se que a última reviravolta tenha ocorrido há cerca de 780.000 de anos, e os cientistas ainda não entendem completamente como tal fenómeno afetaria o campo magnético.


Mesmo com o campo magnético intacto, a civilização humana permanece vulnerável a explosões repentinas de poderosa radiação solar. Em 2011, académicos dos EUA alertaram que a repetição de uma tempestade solar semelhante à que atingiu a Terra em 1859 poderia causar até dois triliões de dólares em danos iniciais, danificando redes de energia elétrica, satélites, sistemas de navegação, etc. No entanto, outros procuraram para acalmar o medo de uma reviravolta, estimando que tal processo pode levar até mil anos para ser concluído, reduzindo drasticamente seu impacto negativo.

Referencia//SputnikNews



Sem comentários:

Publicar um comentário