quarta-feira, 29 de julho de 2020

Poluição do ar mata mais que o Covid-19

Novo relatório identifica o 'maior risco' para a saúde humana e não é um vírus.
A poluição do ar reduz a expectativa de vida nos seres humanos, em quase dois anos, de acordo com dados divulgados terça-feira que especialistas disseram que a má qualidade do ar é "o maior risco para a saúde humana".


Poluiçao
Photo//Pixabay//8385


Um novo oceano está surgindo na África devido ao afastamento das placas tectónicas




O Índice de Qualidade de Vida no Ar (AQLI) afirmou que, à medida que todos correm para encontrar uma vacina para controlar a pandemia de COVID-19 , a poluição do ar continuará fazendo com que biliões de pessoas morram, ou fiquem doentes em todo o mundo.
O índice converte a poluição do ar particulado, principalmente resultante da queima de combustíveis fósseis, no impacto que tem na saúde humana.
Descobriu-se que, apesar das reduções significativas da poluição atmosférica na China, que já foi um dos países mais poluídos do mundo, o nível geral de poluição do ar permaneceu estável nas últimas duas décadas.


Em países como Índia e Bangladesh, a poluição do ar é tão grave que reduz a esperança média de vida, em algumas zonas, em quase uma década.
Os autores da pesquisa concluíram que a qualidade do ar que muitos humanos respiram constituí um risco à saúde muito maior do que o COVID-19.
"Embora a ameaça do coronavírus seja grave e mereça toda a atenção que está recebendo, abraçar a gravidade da poluição do ar com uma força semelhante permitiria que biliões de pessoas tivessem vidas mais longas e saudáveis", disse Michael Greenstone , criador da AQLI.
Quase um quarto da população mundial vive em apenas quatro países do sul da Ásia que estão entre os mais poluídos, Bangladesh, Índia, Nepal e Paquistão.


Novas espécies descobertas nas profundidades do Oceano Pacífico


A AQLI descobriu que essas populações reduziriam o tempo de vida em cinco anos, em média, depois de serem expostas a níveis de poluição 44% superiores do que há 20 anos.
Milhões de anos perdidos
Ele disse que a poluição por partículas também é uma " preocupação significativa " no sudeste da Ásia, onde incêndios florestais e agrícolas se combinam com o tráfego e a fumo das indústrias para criar ar tóxico.
Cerca de 89% dos 650 milhões de habitantes da região vivem em áreas onde a poluição do ar excede as diretrizes recomendadas pela Organização Mundial da Saúde.




Enquanto lugares como Estados Unidos, Europa e Japão conseguiram melhorar a qualidade do ar, a poluição ainda leva em média dois anos a menos que a expectativa de vida em todo o mundo, disse a AQLI.
Verificou-se que o Bangladesh é o país que tem a pior qualidade do ar, e cerca de 250 milhões de habitantes dos estados do norte da Índia perderão em média oito anos de vida, a menos que a poluição seja controlada.
Vários estudos mostraram que a exposição à poluição do ar também é um fator de risco essencial do COVID-19, ea Greenstone aconselhou os governos a darem prioridade á qualidade do ar após a pandemia.



Mudanças climáticas podem extinguir 60% das espécies de peixes




Referencia//ScienceAlert




Sem comentários:

Publicar um comentário