quarta-feira, 1 de julho de 2020

Novas espécies descobertas nas profundidades do Oceano Pacífico

Os cientistas descobriram quatro novas espécies e dois novos géneros que habitam nas profundezas abissais do Oceano Pacífico.
A Zona Clarion-Clipperton (CCZ), uma vasta zona que cobre cerca de 4,5 milhões de quilómetros quadrados do Pacífico central, é considerada rica no setor de mineração devido à sua abundância de metais valiosos e minerais de terras raras depositados em nódulos polimetálicos no leito do mar.
No entanto, os minerais antigos não são as únicas maravilhas daqui. 

Moanammina-semicircularis
Moanammina semicircularis Photo (Jennifer Durden / Craig Smith / Projeto DeepCCZ)

A sexta extinção em massa da Terra está em rápida aceleração


Num novo estudo, os investigadores identificaram uma série de criaturas do fundo do mar desconhecidas pela ciência até agora, vivendo em profundidades superiores a 5 quilômetros. Os espécimes em questão são conhecidos como xenofóforos , um clado de protozoários gigantes unicelulares que pertencem à classe foraminíferos .
Os xenofóforos são um dos tipos mais comuns de grandes formas de vida encontradas nas planícies abissais da CCZ e, embora tenham sido descritas desde o final do século 19, não sabemos muito sobre eles, muito devido às profundidades onde habitam.





"Essas quatro novas espécies e dois novos gêneros aumentaram o número de xenofóforos descritos no abismo da CCZ para 17, havendo muitos mais conhecidos, mas ainda não descritos", diz o ecologista marinho Andrew Gooday, do Centro Nacional de Oceanografia do Reino Unido.
"Esta parte do Oceano Pacífico é claramente um ponto importante da diversidade de xenófofos".
Entre as novas descobertas está o novo gênero Abyssalia , batizado com o nome do abismo onde se esconde. Numa expedição de 2018 a bordo do RV “Kilo Moana” em 2018 no CCZ ocidental, os cientistas encontraram duas espécies de Abyssalia : A. foliformis  e A. sphaerica .

Xenófóforo-"mudball"
Xenófóforo "mudball" não identificado.Photo// (Gooday et al., EJP, 2020)

A Amazónia pode ser a próxima fonte de coronavírus, alerta cientista


Esses xenofóforos têm conchas chamadas testes, compostas de pequenas partículas coladas. No caso da AbYssália , as conchas são feitas de uma malha homogênea de espículas de esponja, sem camada superficial distinta.
A A. sphaerica tem uma forma esférica, semelhante a um dente-de-leão um tanto emaranhado, e a A.  foliformis  tem uma forma mais plana e parecida com uma folha.
O outro novo gênero identificado, Moanammina , recebeu o nome de Moana , que significa 'oceano' em havaiano, maori e outras línguas polinésias.
A Moanammina semicircularis  tem um teste em forma de leque, enquanto outra nova espécie, Psammina tenuis , pertencente ao género Psammina , tem um teste delicado, fino e em forma de placa.


Os investigadores também descobriram o que eles sugerem ser um novo xenófóforo em forma esférica de 'mudball', mas infelizmente sua composição semelhante ao mudball desintegrou-se antes que pudessem ter feito um exame detalhado afim de confirmar a sua identidade.
"Nós os encontramos em todos os lugares no fundo do mar com muitas formas e tamanhos diferentes. Eles claramente são membros muito importantes das comunidades biológicas ricas que vivem na CCZ", diz o oceanógrafo Craig Smith, da Universidade do Havaí Mānoa, o principal cientista da Cruzeiro RV “Kilo Moana”.
"Entre outras coisas, eles fornecem microhabitats e potenciais fontes de alimento para outros organismos. Precisamos aprender muito mais sobre a ecologia desses protozoários estranhos se quisermos entender completamente como a mineração do fundo do mar pode impactar essas comunidades ".




Referencia//ScienceAlert


Sem comentários:

Publicar um comentário