quinta-feira, 9 de julho de 2020

China diz haver nova doença ainda mais mortal que o covid-19


Embaixada da China na ex-república soviética do Cazaquistão lançou um aviso declarando uma “pneumonia desconhecida” que é declaradamente ainda mais mortal do que o coronavírus que provoca COVID-19, a segundo South China Morning Post.

Pandemia
Photo//Forbes


Trump retira oficialmente os EUA da OMS durante a pandemia



"A taxa de mortalidade desta doença é muito maior do que o novo coronavírus", dizia o aviso aos cidadãos chineses no Cazaquistão, conforme citado pelo SCMP. "Os departamentos de saúde do país estão realizando pesquisas comparativas sobre o vírus da pneumonia, mas ainda precisam identificar o vírus".
A pneumonia é uma infeção de um ou de ambos os pulmões e é causada por bactérias, vírus ou fungos. A inflamação pode dificultar a respiração e, em alguns casos extremos, pode ser fatal.
A declaração não inclui detalhes e não detalha a natureza do vírus. O COVID-19 também demonstrou causar pneumonia grave nos dois pulmões em alguns pacientes.




Tem sido relatado um aumento preocupante em casos de pneumonia em várias cidades do Cazaquistão desde meados de junho, como relata o SCMP, com cerca de 500 pacientes identificados em três locais, 30 dos quais estão em estado crítico. As autoridades e os órgãos de informação do Cazaquistão afirmam que os casos são apenas pneumonia normal, de acordo com o SCMP.
As mortes por pneumonia relatadas em junho representam mais de um terço das mortes por pneumonia no país desde o início do ano, de acordo com a declaração da embaixada.
O Cazaquistão não está imune à pandemia de coronavírus, tendo sido declarado um estado de emergência em meados de março, com os bloqueios suspensos em meados de maio. O presidente do Cazaquistão, Kassym-Jomart Tokayev, alertou para uma segunda onda esta semana num discurso na televisão.
O pais, com cerca de 18 milhões de habitantes, teve mais de 250 mortes de COVID-19 no país, com apenas 50.000 casos relatados.




Referencia//Futurism


Sem comentários:

Publicar um comentário