quinta-feira, 18 de junho de 2020

O que é o dexametasona, o 'novo' medicamento para o COVID-19

Seis meses passados e oito milhões de casos positivos desde o início da pandemia do COVID-19 em Wuhan, os cientistas anunciaram o primeiro grande avanço na busca de um medicamento para combater a doença. Uma equipe da Universidade de Oxford descobriu que um medicamento barato e amplamente disponível, chamado dexametasona, pode ser eficaz em formas muito graves do COVID-19.
A dexametasona existe desde o início dos anos 60. É um esteroide frequentemente administrado em doses baixas como anti-inflamatório. É amplamente utilizado para asma grave, alergias e para dores nas articulações. Também é usado em condições de auto-imunidade, como lúpus eritematoso sistêmico ou mais vulgarmente em artrite reumatoide.
É esse efeito sobre a inflamação e nosso sistema imunológico que o torna útil no combate ao COVID-19.


Dexametasona
Photo//Olhardigital

Cientista chinês tem 99% de certeza de que a vacina COVID-19 será bem-sucedida

Como funciona

A maioria das pessoas com COVID-19 não mostra sinais da doença, são portanto assintomáticas, ou apresentam sintomas leves, como tosse seca, febre leve ou perda de paladar e olfato.
Mas numa pequena minoria, os sintomas são muito piores e os pacientes precisam de oxigeno terapia ou ventilação para ajudar os pulmões a receber oxigênio. Estas são as pessoas para quem a dexametasona mostrou ser eficaz. Em casos graves, o sistema imunológico do corpo reage exageradamente ao vírus e cria um ataque às células que o contêm. Isso é conhecido como uma tempestade de citocinas, onde substâncias químicas chamadas citocinas são libertadas pelas células do sistema imunológico, causando inflamação.
A dexametasona atua no sistema imunológico para amenizar a resposta e reduzir a tempestade de citocinas. Com efeito, evita a inflamação maciça observada nos pulmões e no coração, responsáveis ​​pelos graves problemas respiratórios em pacientes muito doentes.





A dexametasona foi testada no maior estudo sobre drogas COVID-19 até o momento, na avaliação randomizada da terapia COVID-19 ou no estudo RECOVERY.
Os investigadores estudaram o efeito da droga em 2.000 pacientes e compararam com os resultados de 4.000 pacientes que não a receberam.
Os resultados do estudo, que ainda não foram publicados numa revista revisada por pares, mostram que o maior benefício foi naqueles pacientes ligados a ventiladores, nos quais a dexametasona reduziu o risco de morte em 12%, (de 40% para 28%). Para aqueles que necessitam de oxigênio, houve uma redução de 5% de (25% para 20%).
Isso equivale a salvar uma vida em cada oito pacientes ligados a ventiladores e a cada 20 a 25 tratados com oxigênio.
Como com qualquer medicamento, existem efeitos colaterais. Isso inclui ansiedade, distúrbios do sono, aumento de peso e retenção de líquidos. Para pacientes em terapia intensiva, esses efeitos comparativamente menores podem ser geridos facilmente, de modo que os benefícios da dexametasona no COVID-19 superam em muito os efeitos negativos.
O medicamento é ineficaz naqueles com sintomas leves que não necessitam de suporte respiratório e não deve ser usado ​​por estes em casa.


Cientistas testam a vacina contra o sarampo no COVID-19

O primeiro tratamento real

É significativo que os resultados da dexametasona tenham sido encontrados num ensaio clínico randomizado, em que os pacientes que usaram a droga são comparados com os que não usaram.
Drogas anteriores, aclamadas como "curas" potenciais para o coronavírus, não passaram por esse tipo de estudo rigoroso antes de serem declaradas efetivas em alguns setores. Isso inclui o medicamento para a malária hidroxicloroquina, que foi divulgado pelo pesquisador francês Didier Raoult e promovido pelo presidente dos Estados Unidos.
Apesar de ter sido defendido por Donald Trump , e até tomado por ele , este medicamento está realmente associado a um risco aumentado de morte em pacientes com COVID-19 e não é o uso.
De fato, os investigadores de Oxford que identificaram a dexametasona como um tratamento eficaz interromperam o estudo da hidroxicloroquina devido a uma "falta de eficácia" e foi recentemente retirado de uso em casos de COVID-19 pela Food and Drug Administration dos EUA.


Um medicamento barato

A dexametasona é barata, custando aproximadamente US $ 6 por dia. Os pacientes são tratados em média por sete a dez dias, para que vidas sejam salvas por apenas US $ 44. Estima-se que, se o medicamento tivesse sido usado anteriormente no Reino Unido, poderia ter evitado 5.000 mortes por COVID-19.
O mais importante é que o medicamento é comum e há grandes stocks globais. Isso significa que pacientes mais desfavorecidos em países com fraca assistência à saúde podem receber prontamente dexametasona, em comparação com novos medicamentos que geralmente têm stocks limitados e são caros.
Este importante estudo sugere que um medicamento comum usado na medicina há 60 anos pode ajudar na batalha contra o COVID-19. Haverá mais descobertas, mas este é um primeiro passo importante.
David C Gaze, The Conversation

Vacina contra coronavírus com resultados promissores



Referencia//The Conversation




Sem comentários:

Publicar um comentário