sábado, 20 de junho de 2020

O Planeta Nove realmente existe?


Nos últimos anos, a possibilidade de um planeta novo existir nas regiões ultraperiféricas do sistema solar atormentou os cientistas e as pessoas em geral. Mas depois de anos de pesquisa, os astrónomos não encontraram novos planetas nessa zona do espaço.
Só estudamos a região do sistema solar alem da órbita de Neptuno há algumas décadas e, é fácil entender por que a astronomia aqui é desafiadora, Os objetos que estamos tentando encontrar são a) muito, muito pequenas e b) muito, muito distantes. Isso os torna difíceis de detetar.



Planeta-nove
Photo//Wikipédia


A Via Láctea pode conter até 6 biliões de planetas semelhantes à Terra



Além de Plutão, descoberto por sorte em 1930, a nossa compreensão do sistema solar exterior praticamente não existia até 1992, quando os astrónomos encontraram seu primeiro objeto do Cinturão de Kuiper, um remanescente congelado da formação do sistema solar, circulando preguiçosamente o sol, perto da escuridão total, para além de Neptuno.
Desde então, encontramos milhares mais desses objetos, categorizando e sub categorizando-os à medida que avançamos. Em 2003, os astrónomos descobriram talvez o eTNO mais estranho ainda, Sedna. O Sedna é grande, tem cerca da metade do tamanho de Plutão, mas está numa órbita verdadeiramente ridícula. Ao longo de 11.000 anos, o Sedna passa de 76 unidades astronómicas para mais de 900 UA e depois volta ao mesmo.





A órbita de Sedna é tão estranha que exige explicação. Como um planeta pode alcançar uma órbita tão grande sem ser completamente expulso do sistema solar?
Mais recentemente, algumas equipes de astrónomos começaram a notar outros eTNOs descolados. Ou seja, um grupo de meia dúzia de objetos com órbitas semelhantes, eles percorriam aproximadamente a mesma orbita elíptica, e essas elipses estavam agrupadas.
Imagine-se pegar uma flor aleatória de um campo e olhar as pétalas. Normalmente espera-se que as pétalas sejam distribuídas uniformemente pela flor, mas ao vê-las todas agrupadas, deduz-se que algo suspeito está acontecendo.
E o mesmo acontece para esses eTNOs estranhos. Não havia razão para esperar esse tipo de órbita. A melhor explicação, afirmavam os astrônomos, era que um novo planeta, o Planeta Nove os estava influenciando e moldando as suas órbitas.



Possivel-orbita-planeta-nove
Photo//Wikipédia


Podem existir mais de 30 civilizações alienígenas na nossa galáxia




Não é um argumento mau. A incapacidade de explicar a órbita de Urano levou à deteção de Neptuno, portanto, há um antecedente histórico na estratégia. E desde então, mais eTNOs foram encontrados nas mesmas órbitas estranhas e agrupadas.
Mas desde que a reivindicação de um nono planeta chegou às manchetes, os astrónomos não conseguiram fotografa-lo. O que não é muito preocupante, pelo menos ainda não. Se o Planeta Nove existe, é muito pequeno e muito distante, dificultando sua localização.
Ao mesmo tempo, outros astrónomos destacaram-se, argumentando que os eTNOs especiais não são tão especiais, afinal. Pode ser que, devido à maneira como nossas pesquisas são projetadas e conduzidas, tenhamos mais hipoteses de detetar eTNOs com essas órbitas descoladas, e nenhum com órbitas mais normais. Em outras palavras, esses eTNOs não são conduzidos por algum corpo misterioso no sistema solar externo. Simplesmente não há nada a explicar, eles só parecem diferentes porque ainda não terminamos de procurar.



Além do mais, é difícil enquadrar a existência de um nono planeta com a formação do sistema solar como o entendemos atualmente. Os astrónomos podem, é claro, explicar um nono planeta, argumentando que é um núcleo resultante de um planeta ou um exoplaneta capturado, mas quanto mais complicado o cenário fica, mais difícil é explicar.
Sem uma imagem do planeta, a comunidade astronómica não será totalmente influenciada pelo movimento rebelde de um punhado de bolas de gelo no sistema solar externo. Então, por enquanto, a busca por um novo planeta continua.

Administrador da NASA foi suspenso após anunciar invasão Alienígena, antes de 2025


Referencia//LiveScience




Sem comentários:

Publicar um comentário