domingo, 21 de junho de 2020

Novo mapa incrível do universo de raios-X

Um telescópio espacial lançado em julho de 2019 acaba de concluir sua primeira pesquisa. Durante meses, o telescópio eROSITA a bordo do observatório espacial Spektr-RG tem varrido o céu, recolhendo observações para o levantamento mais profundo do céu em comprimentos de onda de raios-X.
Agora, todos esses dados foram compilados num mapa contendo mais de 1 milhão de objetos de raios-X brilhantes, duplicando o número de tais objetos dos 60 anos anteriores da astronomia de raios-X.
"Essa imagem muda completamente a maneira como olhamos para o universo energético", disse o astrofísico Peter Predehl , investigador da eROSITA no Instituto Max Planck de Física Extraterrestre (MPE).



Mapa-raio-x
Photo//J. Sanders, H. Brunner e a equipa eSASS / MPE; E. Churazov, M. Gilfanov / IKI)

O Planeta Nove realmente existe?


"Vemos uma riqueza de detalhes, a beleza das imagens é realmente impressionante".
A maioria dos objetos astronómicos emite raios-X, mas em proporções diferentes de outros comprimentos de onda. Os raios X têm comprimentos de onda muito curtos e, portanto, são muito energéticos, emitidos pelos objetos mais quentes e energéticos, como buracos negros , estrelas de neutrões, galáxias quasares e remanescentes de supernovas.
Os raios X são invisíveis a olho nu, como ondas de rádio . Portanto, o céu em raios-X parece muito diferente do que vemos quando olhamos à noite. Além disso, e ao contrário das ondas de rádio, os raios X são bloqueados principalmente pela atmosfera da Terra, portanto, a única maneira de estudá-los é enviando telescópios ao espaço.


Vários telescópios de raios-X foram implantados, mas a mais recente pesquisa de raios-X foi realizada décadas atrás, de 1990 a 1999, pelo satélite ROSAT. O novo mapa do céu conseguido pela eROSITA, alemã-russa é, segundo a equipa, é quatro vezes mais profundo que o mapa extraído dos dados do ROSAT.
Tem sido um trabalho meticuloso. O observatório espacial Spektr-RG está num dos pontos Lagrangianos da Terra, um bolso gravitacionalmente estável criado pela interação entre a Terra e o Sol, a cerca de 1,5 milhão de quilómetros de distância.





O instrumento recolheu 182 dias de dados, cada exposição entre 150 e 200 segundos, totalizando 165 gigabytes. A cada dia, a equipe ligava-se ao satélite para baixar os. Então todos esses dados brutos eram processados ​​e reunidos.
"Estávamos todos aguardando ansiosamente o primeiro mapa da eROSITA", disse a astrofísica Mara Salvato, do MPE . "Grandes áreas do céu já foram cobertas em muitos outros comprimentos de onda, e agora temos os dados de raios-X. Precisamos dessas outras pesquisas para identificar as fontes de raios-X e entender sua natureza".
A maioria das fontes no mapa,cerca de 77%, são buracos negros supermassivos que acumulam ativamente material nos núcleos das galáxias, ou o que chamamos de núcleos galácticos ativos. Esses objetos são extremamente energéticos e existem muitos por aí.


Também existem aglomerados de galáxias, brilhando em raios-X por causa do gás quente restringido por sua gravidade coletiva; sendo cerca de 2% dos objetos.
Outros objetos estão muito mais perto de nós. Dentro da Via Láctea, estrelas com coroas quentes magneticamente ativas compõem 20% dos objetos. O restante 1% é composto por uma grande variedade, binários de raios-X brilhantes, restos de supernovas e explosões, como os emitidos por estrelas despedaçadas por buracos negros.



Spektr-RG
Photo//RUSSIANSPACEWEB.COM

A Via Láctea pode conter até 6 biliões de planetas semelhantes à Terra


O mapa também revela a estrutura do gás quente na galáxia da Via Láctea e o gás que a cerca. É uma riqueza de dados preparados para desbloquear uma grande quantidade de informações sobre o universo de raios-X. E é apenas o começo. Nos próximos anos, o observatório realizará mais sete pesquisas, que serão combinadas para um mapa geral do céu muito mais sensível.
"Com um milhão de fontes em apenas seis meses, a eROSITA já revolucionou a astronomia de raios-X, mas isso é apenas uma amostra do que está por vir. Essa combinação de área e profundidade do céu é transformadora", disse o astrofísico Kirpal Nandra, do MPE .
"Já estamos mostrando um volume cosmológico do universo quente muito maior do que era possível antes. Nos próximos anos, seremos capazes de sondar ainda mais longe, onde as primeiras estruturas cósmicas gigantes e buracos negros supermassivos estavam se formando.”



Fonte//BBCNews




Sem comentários:

Publicar um comentário