quinta-feira, 4 de junho de 2020

Com apenas com 4 dias da temporada de furacões, este já é um ano recordista

Apenas dois dias após o inicio da temporada de furacões no Atlântico em 2020, desenvolveu-se a tempestade tropical "Cristobal" no Golfo do México.
Foi a terceira tempestade atlântica, o suficientemente forte, para obter um nome nesta temporada. Desde que há registos, nenhum outro ano teve três tempestades no Atlântico tão cedo. Em média, a terceira tempestade forma-se a meio de agosto, de acordo com a  AccuWeather .


Tempestade-Tropical-Cristobal
Tempestade Tropical Cristobal  (RAMMB / CIRA / GOES East)

 A sexta extinção em massa da Terra está em rápida aceleração

                                                                                   
A Associação Meteorológica Mundial atribui nomes a tempestades cujas velocidades do vento excedem 39 mph (63 km / h), esse é o limite no qual um ciclone é considerado uma tempestade tropical. Os ventos do “Cristobal” superaram isso na terça-feira, e atingiu a baía de Campeche na quarta-feira. A tempestade pode aumentar a força e passar a furacão ao se aproximar da costa do Golfo dos EUA.
A Administração Nacional Oceânica e Atmosférica (NOAA) alertou que esta temporada de furacões será "acima do normal" no Oceano Atlântico. Isso significa de seis a dez furacões, com três a seis dos que atingem a categoria 3 ou superior (que é considerado um "furacão maior").
Uma temporada média vê cerca de seis furacões, com três passando a categoria 3 ou superior. Mas o Oceano Atlântico produz estações de furacões altamente ativas desde 1995, segundo a NOAA .
A temporada começou em 1º de junho. Mas, nesse dia, a tempestade tropical Arthur já havia percorrido a costa da Carolina do Norte e a tempestade tropical Bertha chegou a Charleston, na Carolina do Sul.


Antes da projeção da NOAA para a temporada, mais de uma dúzia de previsões de outras agências governamentais, instituições de pesquisa e empresas privadas tinham alertado que a atividade das tempestades seria "acima da média", com pelo menos seis furacões, segundo a  CNN . Alguns grupos até esperam uma temporada "extremamente ativa", com mais de nove furacões.
"Em geral, o consenso entre as previsões sazonais de furacões neste ano é maior do que nos últimos anos", disse à CNN Phil Klotzbach, cientista do Departamento de Ciência Atmosférica da Universidade Estadual do Colorado.
Tempestades como a “Cristobal” são cada vez mais propensas a se tornarem grandes furacões
As probabilidades de qualquer ciclone tropical se tornar um grande furacão estão aumentando à medida que a atividade humana aquece o planeta.
Um estudo de investigadores da NOAA e da Universidade de Wisconsin-Madison descobriu que cada nova década nos últimos 40 anos trouxe um aumento de 8% na pbobabilidade de uma tempestade se transformar num grande furacão.




"Temos um conjunto significativo de evidências de que essas tempestades já mudaram de maneiras muito substanciais e todas são perigosas", disse James Kossin, cientista atmosférico da NOAA e principal autor do estudo, ao Washington Post.
As descobertas, publicadas em maio, foram baseadas em 40 anos de dados de satélite.
Os furacões estão ficando mais fortes e húmidos porque, devido à mudança climática, as temperaturas do oceano e do ar subiram. 2019 foi o segundo ano mais quente já registado e fechou a década mais quente já registada. Os furacões alimentam-se de água morna.
Além disso, temperaturas mais elevadas da água provocam um aumento do nível do mar, o que aumenta o risco de inundações durante as marés altas e tempestades. O ar mais quente também retém mais vapor de água, o que permite que tempestades tropicais fortaleçam e causem maior precipitação.
"Quase todo os danos e mortes causados ​​por furacões, são devido a grandes furacões", disse Kossin à  CNN . "Aumentar a probabilidade de ter um grande furacão certamente aumentará esse risco".



Deslizamento de terra no Alasca, pode causar tsunami catastrófico

Referencia//ScienceAlert


Sem comentários:

Publicar um comentário