quarta-feira, 17 de junho de 2020

A Via Láctea pode conter até 6 biliões de planetas semelhantes à Terra


As estrelas da sequência principal do tipo G, muitas vezes chamadas de anãs amarelas, podem de fato esconder uma infinidade de planetas atraídos por elas, mas ainda resta saber se algum deles, parecido com o nosso Sistema Solar, é compatível com a vida.
Após anos de busca por exoplanetas, os investigadores fizeram um cálculo inovador sugerindo que poderia haver uma miríade de 6 biliões de planetas semelhantes à Terra orbitando estrelas semelhantes ao Sol na Via Láctea, de acordo com um estudo publicado no The Astronomical Journal .



Exoplanetas
Photo//TVI24


Podem existir mais de 30 civilizações alienígenas na nossa galáxia



"Os cálculos estabelecem um limite superior de 0,18 planetas parecidos com a Terra por estrela do tipo G", disse a astrónoma Michelle Kunimoto, da Universidade da Colúmbia Britânica (UBC), no Canadá, que é conhecido por ter feito recentemente outra descoberta fenomenal, 17 exoplanetas nos dados do telescópio Kepler.
No geral, a equipe de pesquisa determinou as novas descobertas medindo entre 0,75 e 1,5 vezes a massa da Terra e orbitando uma estrela do tipo G, geralmente chamada de anã amarela, a uma distância entre 0,99 e 1,7 unidades astronómicas (AU, o distância entre a Terra e o Sol).
No limite superior das estimativas de estrelas do tipo G, um valor que foi aproximadamente fixado, os cálculos chegaram a um máximo de 6 biliões desses exoplanetas, embora isso possa estar muito longe da realidade, acreditam os investigadores. Eles admitem que esses planetas não têm necessariamente formas de vida, como o caso de Marte, que fica a 1,5 unidade astronómica do Sol.
Para localizar os planetas, a equipe usou uma técnica conhecida como modelagem direta para simular dados com base nos parâmetros do modelo, durante toda a pesquisa, o esquema foi aplicado a um catálogo de 200.000 estrelas estudadas pela sonda Kepler, que procurou planetas no espaço entre 2009 e 2018.




"Comecei simulando toda a população de exoplanetas em torno das estrelas que Kepler pesquisou", disse Kunimoto, acrescentando que ela marcou cada planeta como "detectado" ou "perdido", dependendo de "qual a probabilidade de meu algoritmo de pesquisa planetária os encontrar".
Os investigadores acreditam que análises aprofundadas de como são comuns certos tipos de planetas em orbita das estrelas são uma promessa extraordinária, uma vez que "podem fornecer restrições importantes" sobre como os planetas se formam e evoluem, além de ajudar a otimizar outras missões destinadas a encontrar novos exoplanetas.
No mês passado, uma equipe de astrónomos da Universidade Cornell, nos Estados Unidos, propôs uma nova maneira de determinar se um exoplaneta é potencialmente habitável. De acordo com o estudo, publicado na revista científica Monthly Notices da Royal Astronomical Society, a nova abordagem baseia-se na cor da superfície de um planeta e na quantidade de luz que reflete.
Por exemplo, se um planeta é rochoso e feito de basalto preto, ele absorve mais luz e, portanto, tem uma temperatura mais alta, enquanto, por outro lado, uma superfície arenosa cercada por nuvens reflete mais luz, de modo que a temperatura geral do planeta será mais fria do que o do basalto rochoso.


Astrónomos descobrem réplica do nosso sistema solar



Referencia//SputniNews



Sem comentários:

Publicar um comentário