quinta-feira, 21 de maio de 2020

Pandemia longe do fim: a OMS registou o maior número de novos casos COVID-19 num único dia


A Organização Mundial da Saúde (OMS) informou na quarta-feira que registou um novo número diário de casos COVID-19, à medida que se aproximava rapidamente do "marco trágico" de 5 milhões de infeções.
O chefe da agência da ONU, Tedros Adhanom Ghebreyesus, disse que na terça-feira houve "106.000 novos casos relatados à OMS, o maior número de casos num único dia desde o início do surto".


Mapa-de-infeçoes-covid-19
Painel WHO COVID-19. (QUEM)


Vacina contra coronavírus com resultados promissores


A OMS também estava se familiarizando com o ultimato da reforma do presidente dos EUA, Donald Trump , que deu à organização 30 dias para revisar suas operações, caso contrário, seu maior colaborador congelaria seu financiamento e consideraria retirar-se completamente.
A OMS, com sede em Genebra, disse que, na terça-feira, que 106.662 casos confirmados foram relatados à agência em todo o mundo.
Os novos números vêm depois de todos os países, em todo o mundo estarem aumentando drasticamente seus programas de testes.
"Ainda temos um longo caminho a percorrer nessa pandemia", disse Tedros em conferência de imprensa virtual, enquanto sua agência alertou para o aumento dos números de infeções nos países mais pobres.
Mais de 4,9 milhões de casos do novo coronavírus foram registrados no total desde que o surto surgiu na China, em dezembro passado, de acordo com uma contagem de fontes oficiais compiladas pela AFP.
O diretor de emergências da OMS, Michael Ryan, disse que a marca de 5 milhões de casos seria um "marco trágico".
Tedros acrescentou: "Estamos muito preocupados com o crescente número de casos em países com menos recursos".
Mais de 325.000 pessoas perderam a vida, de acordo com o registro da AFP.

Os cientistas têm uma nova e promissora ideia para derrotar o SARS-CoV-2


OMS estuda carta de Trump


A reunião anual da OMS dos Estados membros concordou na terça-feira com uma investigação independente sobre a resposta do coronavírus da agência das Nações Unidas no meio de críticas crescentes dos EUA ao lidar com a pandemia.
Trump divulgou na terça-feira uma carta que enviou a Tedros, dizendo que se a OMS não se comprometer com "grandes melhorias substanciais" dentro de 30 dias, ele congelaria permanentemente o financiamento da organização e reconsideraria a participação nos EUA.
Os Estados Unidos são os maiores contribuidores do orçamento da OMS e já suspenderam o financiamento, acusando a organização de administrar mal e encobrir a disseminação do vírus.
Pressionado no ultimato, Tedros disse apenas: "Recebemos a carta e estamos analisando".
A OMS concordou que uma "avaliação imparcial, independente e abrangente" das "ações da OMS e seus cronogramas referentes à pandemia do COVID-19" deve ser realizada no "momento mais cedo possível".
Questionado na quarta-feira quando isso poderia acontecer, Tedros respondeu que seria "Quando todas as condições necessárias forem realmente cumpridas".


Conselho sobre hidroxicloroquina


Na segunda-feira, Trump fez o anúncio surpresa de que ele está tomando hidroxicloroquina, um medicamento antimalária que, segundo seus especialistas do governo, não é adequado para combater o novo coronavírus.
E o Ministério da Saúde do Brasil recomendou quarta-feira o uso de cloroquina e hidroxicloroquina para tratar casos leves de COVID-19, tratamentos que o presidente Jair Bolsonaro pressionou, apesar da falta de evidências conclusivas de sua eficácia.
Os dois medicamentos estão entre os poucos envolvidos em ensaios clínicos coordenados pela OMS para encontrar tratamentos eficazes para a doença. Cerca de 3.000 pacientes estão participando dos ensaios em 320 hospitais de 17 países.
"A OMS, aconselha que, para o COVID-19, esses medicamentos sejam reservados para esses ensaios", disse Ryan.



A Covid-19 não é apenas uma doença respiratória



Referencia//Sciencealert



Sem comentários:

Publicar um comentário