quarta-feira, 20 de maio de 2020

Emissões de c02 caem 17% em Abril devido á pandemia

Algo de muito bom a nível ambiental está emergindo no meio à pandemia de coronavírus. A grande maioria das pessoas pararam de voar e não estão usando muito o automóvel para ir trabalhar, os navios de cruzeiro estão parados provocando uma queda drástica nas emissões de carbono.
Um estudo publicado terça-feira na revista Nature Climate Change revela que as emissões globais de carbono por dia em abril eram 17% menores que as emissões diárias médias em 2019.



Photo//Pixabay//Tama66

Deslizamento de terra no Alasca, pode causar tsunami catastrófico



Os resultados mostraram que as emissões diárias médias diminuíram 18,7 milhões de toneladas de carbono em relação ao ano passado. Esse é um nível de emissões comparável ao ano de 2006.
"Veremos as emissões globais de carbono caírem pelo menos 4% este ano e possivelmente 7% ou 8%", afirmou Robert Jackson, co-autor do novo estudo e presidente do Global Carbon Project.
"De qualquer forma, será a maior queda num ano desde a Segunda Guerra Mundial, e possivelmente de todos os tempos".
A maior queda veio do transporte terrestre
Para quantificar a queda nas emissões de carbono, os autores do estudo examinaram dados de emissões de mais de 69 países, incluindo os EUA e 30 províncias chinesas, representando 85% da população mundial e 97% das emissões globais de CO2.


Os investigadores descobriram, no início de abril, que as regiões responsáveis ​​por 89% das emissões globais estavam sob algum tipo de bloqueio. Assim, eles dividiram os bloqueios em três categorias com base nos níveis de gravidade e depois estimaram o impacto nas atividades diárias normais dos residentes (e os efeitos associados às emissões de carbono).
Eles descobriram que os países com as restrições mais severas e ordens de ficar em casa, que eles definiram como "bloqueios nacionais obrigatórios que exigem o confinamento doméstico de todos os trabalhadores, exceto trabalhadores-chave", sofreram uma redução diária de 50% no transporte de superfície (como viagens de carro) e uma redução diária de 75% nas viagens aéreas.
Esses dois setores tiveram uma redução de 36% e 60% nas emissões, respetivamente.
A queda nas emissões do transporte de superfície foi responsável por 43% da redução total das emissões globais diárias em comparação a 2019. Isso ocorre porque as viagens aéreas contribuem em menos de 3% das emissões anuais de carbono, enquanto o transporte terrestre contribui quase 10 vezes mais.


A Amazónia pode ser a próxima fonte de coronavírus, alerta cientista



No total, os investigadores estimaram que as emissões entre janeiro e meados de abril caíram 1.048 milhões de toneladas em comparação com a média dos 12 meses do ano passado. Cerca de 23% dessa queda veio da China, 20% dos EUA e 9% da Índia.
As emissões caíram, em média, 26% nos países nos picos de seus bloqueios.
As emissões globais anuais de carbono podem cair pelo menos 4% neste ano
A redução de 17% nas emissões diárias de CO2 é "extrema e provavelmente nunca antes vista", escreveram os autores do estudo.
Ainda assim, essa queda apenas alinha as emissões com as que estavam em 2006, o que destaca o quanto as emissões aumentaram nos últimos 14 anos.
Antes da pandemia, as emissões globais de carbono aumentavam cerca de 1% ao ano na última década, de acordo com o novo estudo.


Mas 2020 reverterá essa tendência, independentemente de quando o mundo sair do confinamento.
Se as condições pré-pandêmicas voltarem em meados de junho, o que significa que as empresas não essenciais reabrem e as viagens aéreas e de veículos são retomadas em níveis normais, as emissões globais anuais de carbono provavelmente ainda cairão 4%.
Se alguns bloqueios e restrições nas viagens persistirem até o final do ano, essa queda poderá ser ainda maior, mais perto de 7%.
Segundo Jackson, esse é o nível de redução de emissões que o mundo precisa todos os anos para cumprir as metas climáticas estabelecidas no acordo climático de Paris, que visa limitar o aquecimento global a 1,5 graus Celsius.
"Reter pessoas em casa não é uma maneira sustentável de reduzir a poluição por gases de efeito estufa", disse Jackson ao Business Insider.


A queda nas emissões é temporária, a menos que os governos incorporem metas climáticas nos planos de reconstrução
Corinne Le Quéré, principal autora do novo estudo, alertou num comunicado à imprensa que "essas diminuições extremas provavelmente serão temporárias, pois não refletem mudanças estruturais nos sistemas econômico, de transporte ou de energia".
Ela e seus colegas escreveram que os líderes mundiais precisam incorporar as metas de mudanças climáticas em seus esforços de reconstrução econômica, investindo em energia limpa, por exemplo.
"O financiamento por estímulo da crise de 2008 ajudou a impulsionar a produção eólica e solar. Hoje, o COVID-19 e o financiamento por estímulo podem catalisar a mobilidade pessoal e os veículos elétricos acoplados à energia renovável", afirmou Jackson.
Ele acrescentou que os bloqueios podem mudar a maneira como as pessoas pensam em se locomover.
"As pessoas estão reinventando o transporte sem o motor de combustão interna", disse ele. "Poderíamos ter céu azul todos os dias sem ficar em casa andando, andando de bicicleta e dirigindo veículos elétricos limpos".

As estimativas mais recentes sobre o aumento do nível do mar são muito pessimistas







Sem comentários:

Publicar um comentário