quarta-feira, 13 de maio de 2020

Cientistas russos transformam resíduos radioativos em recursos valiosos

A pesquisa pode ter implicações revolucionárias para as ciências dos materiais, liquidando centenas de milhares de toneladas de resíduos tóxicos perigosos e criando um ciclo fechado na produção de materiais para o ciclo nuclear.
Cientistas da Universidade Politécnica de Pedro o Grande, em São Petersburgo (SPbPU) criaram o que dizem ser um meio comercial viável para processar o hexafluoreto de urânio empobrecido (DUF6), um composto usado no enriquecimento de urânio. O método transforma o material residual em fluoreto de hidrogénio, um composto químico valioso usado na produção de materiais como alumínio, refrigerantes e gasolina, entre outras coisas.



Residuis-nuclerares
Photo//AP Photo / Efrem Lukatsky

Startup australiana “promete” produção de energia “ilimitada”



Como uma das principais potências em energia nuclear e uma das superpotências nucleares do mundo, a Rússia tem acumulado cerca de um milhão de toneladas do DUF6 altamente tóxico, e, até agora, não tinha sido criada nenhuma tecnologia eficaz para seu processamento, sendo os materiais residuais armazenados em recipientes de metal em instalações especiais, uma solução cara.
Mas os resíduos contêm uma matéria-prima potencialmente valiosa, o flúor, um elemento químico, cujos compostos são utilizados na fabricação de aço, purificação de alumínio, refrigerantes, isolamento elétrico e certos produtos farmacêuticos.


Os cientistas da SPbPU acreditam que regenerar o flúor contido nos resíduos na forma de fluoreto de hidrogénio e usá-lo para a produção de combustível nuclear pode reduzir custos e criar efetivamente um ciclo de combustível fechado para a criação de flúor usado em aplicações nucleares.
O sistema tem um imenso potencial, pois as reservas naturais de fluorita da Rússia, a forma mineral do fluoreto de cálcio, estão esgotadas e são importadas da Mongólia.


Quando solicitado a comentar sobre o desenvolvimento inovador, o Dr. Dmitry Pashkevich, investigador principal do projeto e professor da escola de pós-graduação em matemática aplicada e física computacional do SPbPU, disse que o sistema tem o potencial de resolver uma série de problemas na indústria, não apenas comercial. mas político e ambiental.
"Com o nosso trabalho, estamos tentando resolver três problemas gerais da indústria moderna", explica o Dr. Pashkevich. “Comercial, ampliando a base de matérias-primas para a produção de fluoreto de hidrogénio e reduzindo seu custo usando matérias-primas artificiais, dependência política final de fluorita importada para setores estratégicos da indústria russa, e ambiental, a cessação da acumulação e redução de estoques de resíduos tóxicos contendo flúor acumulados. ”



Cassete-de-combustivel-nuclear
Photo//SPUTNIK / RUSLAN KRIVOBOK


Cientistas construíram um dispositivo que gera eletricidade a partir do ar


O sistema, que já provou sua eficácia num projeto piloto, está sendo implementado em cooperação com a New Chemical Products, uma empresa inovadora de produtos químicos sediada em São Petersburgo, e a Siberian Chemical Plant, uma subsidiária da Rosatom, a empresa estatal da Rússia na produção de energia nuclear.
Agora, os cientistas estão acompanhando seu trabalho, pesquisando a extração de fluoreto de hidrogénio de outras matérias-primas contendo flúor, estando um relatório sobre esse esforço previsto para dezembro.




Cientistas produzem combustível usando água e energia solar

Referencia//SputnikNews



Sem comentários:

Publicar um comentário