sexta-feira, 3 de abril de 2020

Velha BCG, a nova esperança contra o COVID-19

Um grupo de investigadores em quatro países em breve iniciarão um ensaio clínico de uma abordagem não ortodoxa para o novo coronavírus.
 Eles vão testar se uma vacina centenária contra a tuberculose (TB), uma doença bacteriana, pode acelerar o sistema imunológico humano de uma maneira ampla, permitindo combater melhor o vírus que causa a doença COVID-19 e, talvez, impedir a infeção.
Os estudos serão realizados em médicos e enfermeiros, que correm maior risco de serem infetados pela doença respiratória do que a população em geral, e em idosos, que apresentam maior risco de doença grave se forem infetados.



Estudos-bcg

Médicos dos EUA afastam outro mito do coronavírus



Uma equipe na Holanda iniciará o primeiro dos testes nesta semana. Eles recrutarão 1000 profissionais de saúde em oito hospitais holandeses que receberão a vacina, chamada (Bacilo Calmette-Guérin, o seja a bem conhecida BCG.
 O BCG contém uma cepa viva e enfraquecida de  Mycobacterium bovis ,  prima de  M. tuberculosis a bactéria causadora da tuberculose. (A vacina recebeu o nome dos microbiologistas franceses Albert Calmette e Camille Guérin, que a desenvolveram em 1927. A vacina é administrada a crianças em seu primeiro ano de vida na maioria dos países do mundo e é segura e barata, mas sem ser perfeita evita cerca de 60% dos casos de tuberculose em crianças, em média, com grandes diferenças entre os países.

As vacinas geralmente aumentam respostas imunes específicas a um patógeno direcionado, como anticorpos que se ligam e neutralizam um tipo de vírus, mas não outros. Mas o BCG também pode aumentar a capacidade do sistema imunológico de combater outros patógenos além da tuberculose, de acordo com estudos clínicos e observacionais publicados por várias décadas pelos pesquisadores dinamarqueses Peter Aaby e Christine Stabell Benn, que vivem e trabalham na Guiné-Bissau.
Eles concluíram que a vacina previne cerca de 30% das infeções por qualquer patógeno conhecido, incluindo vírus, no primeiro ano após a administração. Os estudos publicados neste campo foram criticados por sua metodologia, no entanto, numa revisão de 2014 encomendada pela Organização Mundial da Saúde concluiu-se que o BCG parecia diminuir a mortalidade geral em crianças, mas classificou a confiança como "muito baixa". Uma nova revisão de 2016  foi um pouco mais positiva sobre os potenciais benefícios do BCG, mas disse que eram necessários estudos mais profundos.
Desde então, fortaleceram as evidências clínicas e vários grupos fizeram importantes descobertas investigando como o BCG geralmente pode impulsionar o sistema imunológico. Mihai Netea, especialista em doenças infecciosas do Centro Médico da Universidade Radboud, descobriu que a vacina pode desafiar o conhecimento dos manuais de como funciona a imunidade.

Reino Unido vai testar medicamento contra o COVID-19


Quando um patógeno entra no corpo, os glóbulos brancos do braço "inato" do sistema imunológico o atacam primeiro; eles podem lidar com até 99% das infecções. Se essas células falharem, elas invocam o sistema imunológico "adaptativo", e as células T e as células B produtoras de anticorpos começam a se dividir para se unir à luta. A chave para isso é que certas células T ou anticorpos são específicos para o patógeno, então presença deles é amplificada. Uma vez eliminado o patógeno, uma pequena porção dessas células específicas do patógeno transformam-se em células de memória que aceleram a produção de células T e células B na próxima vez em que o mesmo patógeno ataca. As vacinas são baseadas neste mecanismo de imunidade.
O sistema imunológico inato, composto por glóbulos brancos, como macrófagos, células assassinas naturais e neutrófilos, não deveria ter essa memória. Mas a equipe de Netea descobriu que o BCG, que pode permanecer vivo na pele humana por vários meses, desencadeia não apenas as células B e T específicas para Mycobacterium , mas também estimula as células sanguíneas inatas por um período prolongado. "Imunidade treinada",  Netea e colegas chamam . Em um estudo randomizado controlado por placebo publicado em 2018, a equipe mostrou que a vacinação com BCG protege contra infeções experimentais com uma forma enfraquecida do vírus da febre amarela, que é usado como vacina.
Juntamente com Evangelos Giamarellos, da Universidade de Atenas, Netea montou um estudo na Grécia para verificar se a BCG pode aumentar a resistência a infeções em geral em pessoas idosas. Ele planeia iniciar um estudo semelhante na Holanda em breve. O estudo foi desenvolvido antes do novo coronavírus, mas a pandemia pode revelar os efeitos amplos do BCG mais claramente, diz Netea.

Para o estudo dos profissionais de saúde, Neetae uniu-se ao epidemiologista e microbiologista Marc Bonten, da UMC Utrecht. A equipe decidiu não usar a infeção real com coronavírus como resultado do estudo, por não haver orçamento e não ser possível visitar os profissionais doentes em casa, diz Bonten. Observar o absenteísmo tem a vantagem de que qualquer efeito benéfico da vacina BCG sobre a influenza e outras infeções.
Um grupo de pesquisa da Universidade de Melbourne está organizando um estudo do BCG entre os profissionais de saúde usando exatamente o mesmo protocolo. Outro grupo de pesquisa da Universidade de Exeter fará um estudo semelhante em idosos. E uma equipe do Instituto Max Planck de Biologia da Infecção anunciou na semana passada que, inspirado no trabalho de Netea, iniciará  um teste semelhante  em idosos e profissionais de saúde com o VPM1002, uma versão geneticamente modificada do BCG que ainda não foi aprovada para use contra a tuberculose.



Vacina-BCG
Photo//JUSTIN SULLIVAN/GETTY IMAGES

O vírus COVID-19 pode estar implantado nos seres humanos há anos, sugere estudo


Para lá destes estudos, a médica Lyubima Despotova, presidente da Sociedade para os Cuidados Paliativos da Bulgária, relaciona a forma como o coronavírus se está a propagar pelo mundo e a maneira como se revela mais letal nuns países do que noutros, acreditando que isso pode estar relacionado com a utilização ou não da vacina BCG nas populações.
Se olharmos para o mapa das políticas dos países na atualidade, o mapa da Europa, bem como a crescente epidemia nos Estados Unidos [onde a vacina nunca foi dada á população], sobrepõem-se completamente ao mapa das políticas de vacinação nacionais. Os países que abandonaram a vacina contra a tuberculose (BCG) há décadas estão, actualmente, no meio de uma epidemia e são mais severamente afetados“, analisa a especialista em medicina geral.
 Há alguns dias, foi publicado um mapa da Alemanha, detalhando o desenvolvimento da Covid-19 e existe uma diferença significativa entre a antiga Alemanha Oriental e a antiga Alemanha Ocidental. A Alemanha Oriental tem três vezes menos infetados, havendo novamente uma coincidência entre o uso massivo de BCG na antiga Alemanha de Leste, RDA e a Alemanha Federal que, nos anos noventa, deixou de a aplicar”, acrescenta Lyubima Despotova.

A médica dá ainda o exemplo de Espanha, onde a BCG nunca foi dada em massa à população, está a ser “severamente afetada, ao passo que Portugal aplica a vacina desde o nascimento até aos 12 anos de idade”. Lyubima Despotova acredita que “essa é a diferença” para o facto de os dois países estarem a viver situações muito distintas.
Lyubima Despotova destaca ainda a diferença entre as estirpes que são usadas nos diferentes países. As estirpes “búlgara, japonesa, brasileira e russa são todas muito semelhantes”, “são estirpes do tipo antigo, estáveis há décadas“, nota, lembrando que são países onde há menor incidência de Covid-19.
 “A Bulgária continua a ser o único país no mundo que apoia a imunização com um processo de revacinação” com BCG, refere ainda Lyubima Despotova.


Os fumadores têm risco acrescido com o COVID-19. Pare de fumar

Referencia//Science


Sem comentários:

Publicar um comentário