quinta-feira, 9 de abril de 2020

Nos EUA, o coronavírus está matando desproporcionalmente pessoas negras

Nos EUA, o coronavírus está a vitimar desproporcionalmente pessoas das comunidades negras, ilustrando os terríveis impactos das desigualdades raciais no país.
Não há nada conhecido em relação ao COVID-19 que o faça atingir grupos específicos de pessoas com mais força. Provavelmente estamos vendo uma manifestação perturbadora das desigualdades raciais que já atormentam o sistema de saúde americano, relata o The New York Times.



Photo//Futurism

Países que já venceram a Covid-19 terão que combate-la outra vez



Muitas das maneiras pelas quais as cidades americanas permanecem segregadas tornaram certos bairros particularmente suscetíveis à pandemia, devido à aglomeração, falta de alimentos e infraestruturas e serviços públicos mal financiados, disse a epidemiologista da Universidade Drexel Sharrelle Barber ao NYT.
"Essas comunidades, estruturalmente, são criadouros para a transmissão da doença", disse Barber. “Não é biológico. São realmente essas desigualdades estruturais existentes que moldarão as desigualdades raciais nessa pandemia.
Em todo o país, o colapso racial dos casos de coronavírus e as mortes representam um quadro horrível.
Por exemplo, 14% da população de Michigan é negra, mas os negros representam 33% dos casos confirmados de COVID-19 no estado e 40% das mortes relacionadas à doença. O NYT relata que Illinois, Louisiana, Carolina do Norte e do Sul e Nova York têm tendências semelhantes.

Muitos estados ainda não forneceram seus dados referentes ao coronavírus nem os dividiram em dados demográficos, como raças. E como muitos passaram sem teste , é difícil saber quais são os números reais. Mas, com base no que sabemos, a tendência se tornou clara.
"Essa crise atual expõe o que sabemos há muito tempo", disse Mandy Cohen, secretária do Departamento de Saúde e Serviços Humanos da Carolina do Norte, "que a zona onde vivem geralmente é determinante para o resultado do estado de saúde.

O que faz o coronavírus tão mortal


Referencia//NewYork Times



Sem comentários:

Publicar um comentário