quarta-feira, 29 de abril de 2020

Movimento da crosta terrestre pode preceder alguns grandes terremotos

Uma nova pesquisa concluiu que, as massas de terra do Japão moveram-se de leste para oeste e novamente para leste nos meses que precederam o terremoto mais forte da história do país, um terremoto de magnitude 9 em 2011, que vitimou mais de 15.500 pessoas.
Esses movimentos, que os investigadores chamaram de "oscilação", podem ter o potencial de alertar os sismólogos para um risco de futuros terremotos na zona de subducção. Esses eventos destrutivos ocorrem quando uma das placas tectônicas da Terra desliza sob outra. Esse deslizamento prende a terra, e quando se desprende dá-se o terremoto.
Os resultados foram publicados hoje (30 de abril) na revista Nature.


Terremoto-japao-2011
Photo//Ultimo segundo IG

Se não mudarmos os nossos hábitos, poderemos ter pandemias ainda piores


"O que aconteceu no Japão foi uma oscilação enorme, mas muito lenta, algo nunca observado antes", disse Michael Bevis, co-autor do artigo e professor de ciências da terra na Universidade Estadual de Ohio.
"Mas todos os terremotos gigantes são precedidos por oscilações desse tipo? Não sabemos porque não temos dados suficientes. É algo que temos que estudar, ao avaliar o risco sísmico em zonas de subducção como as do Japão, Sumatra, Andes e Alasca. "
A oscilação foi impercetível para os habitantes, disse Bevis, movendo-se apenas alguns milímetros por mês durante um período de cinco a sete meses. Mas o movimento foi óbvio nos dados registrados por mais de 1.000 estações GPS distribuídas por todo o Japão, nos meses que antecederam o terremoto de 11 de março em Tohoku-oki.
A equipa de pesquisa, que incluiu cientistas da Alemanha, Chile e Estados Unidos, analisou esses dados e viu uma mudança inversa na terra, cerca de 4 a 8 milímetros para leste, depois para oeste e depois de volta para leste. Esses movimentos eram marcadamente diferentes das mudanças constantes e cíclicas que as massas terrestres da Terra fazem continuamente.


"O mundo está dividido em placas que estão sempre se movendo de uma maneira ou de outra", disse Bevis. "Esse movimento é normal. É esse estilo de movimento que é incomum."
Bevis disse que a oscilação pode indicar que, nos meses que antecederam o terremoto, a placa no mar das Filipinas começou algo chamado "evento de escorregamento lento", uma subestação relativamente suave e "silenciosa" de duas placas oceânicas adjacentes sob o Japão, que eventualmente provocaram uma explosão. Este movimento para oeste e para baixo que levou a placa do Pacífico sob o Japão, gerando poderosas ondas sísmicas que abalaram todo o país.
O terremoto de 2011 causou danos generalizados em todo o Japão. Deslocou permanentemente grandes partes da ilha principal do Japão, Honshu, vários metros para o leste, e causou tsunamis com mais de 40 metros de altura. Mais de 450.000 pessoas perderam suas casas. Vários reatores nucleares colapsaram na central nuclear de Fukushima Daiichi, enviando um fluxo constante de materiais radioativos tóxicos para a atmosfera e forçando milhares de pessoas a fugir de suas casas. Foi o pior desastre nuclear depois Chernobyl.


Efeitos colaterais da pandemia mostram como o futuro poderia ser diferente


Os investigadores que estudam os terremotos e as placas tectônicas tentam identificar a magnitude aproximada dos próximos grandes terremotos e prever onde e quando podem ocorrer. O "quando" é muito mais difícil que o "onde".
Mas não será possível usar as conclusões deste estudo para prever terremotos em algumas zonas de subducção em todo o mundo, porque eles não têm os sistemas de GPS necessários, disse Jonathan Bedford, principal autor deste estudo e pesquisador da GFZ. Centro Alemão de Pesquisa em Geociências.
Em 2011, o Japão possuía um dos maiores e mais avançados sistemas de monitorizaçao GPS do mundo. Esse sistema forneceu dados e permitiu à equipe de pesquisa identificar o balanço da massa terrestre feita nos meses que antecederam o terremoto.
Outros países, incluindo Chile e Sumatra, atingidos por terremotos e tsunamis devastadores em 2010 e 2004, respetivamente, tinham sistemas muito menos abrangentes na época desses desastres.
Os investigadores analisaram dados semelhantes do terremoto de 2010 no Chile e encontraram evidências de uma oscilação semelhante; Bedford disse que os dados eram "apenas bons o suficiente para capturar o sinal".
"Nós realmente precisamos monitorizar todas as principais zonas de subducção com redes GPS de alta densidade o mais rápido possível", disse ele.


Dez ameaças á sobrevivência da humanidade


Referencia//ScienceDaily


Sem comentários:

Publicar um comentário