quinta-feira, 23 de abril de 2020

Efeitos colaterais da pandemia mostram como o futuro poderia ser diferente

Os céus estão ficando limpos de poluição, a vida selvagem está voltando ás águas limpas, uma série de voos foram cancelados e o petróleo bruto é tão inútil que a indústria tem que pagar para se ver livre dele. 
Há alguns meses atrás, os ambientalistas sonhavam que fosse esse o cenário, no 50º aniversário do Dia da Terra.
Mas essa nova realidade verde está causando pouco ânimo, pois é causada pela pandemia de coronavírus que devastou grande parte do mundo.



cidade
Photo Piabay//geralt

Dez ameaças á sobrevivência da humanidade




"Não é assim que queremos que as coisas aconteçam", disse Gina McCarthy, ex-chefe da Agência de Proteção Ambiental dos EUA no governo Obama. "Este é apenas um desastre que apontou os desafios subjacentes que enfrentamos. Não é algo para comemorar."
O evento anual do Dia da Terra da ultima quarta-feira, ocorre quando as restrições à saúde pública para impedir a propagação do COVID-19 resultaram num acentuado declínio na poluição do ar na China, Europa e EUA, com a redução das emissões de carbono pela combustão de combustíveis fósseis a se aproximar do recorde de 5% .
As águas dos canais de Veneza agora estão limpas, os leões descansam em estradas normalmente frequentadas por frequentadores de safaris na África do Sul e ursos e coiotes perambulam por acomodações vazias no parque nacional de Yosemite, na Califórnia.


Cerca de oito em cada 10 voos em todo o mundo foram cancelados, com muitos aviões nos EUA transportando apenas algumas de pessoas. A indústria do petróleo, um dos principais impulsionadores da crise climática e do desastre ambiental, está em turbulência, com o preço do barril de petróleo atingindo menos de US $ 40 na segunda-feira.
Talvez esse fosse o tipo de resultado visto se tivessem sido implementadas políticas ambientais rigorosas logo após o primeiro Dia da Terra em 1970, no qual 20 milhões de americanos se uniram em apoio a medidas antipoluição.
Em vez disso, a paralisação do COVID-19 destacou a resposta do mundo. O corte esperado nas emissões, por exemplo, ainda é menor do que o que os cientistas dizem ser necessário todos os anos nesta década para evitar impactos desastrosos no clima.


"É a pior maneira possível de experimentar a melhoria do ambiente e também nos mostrou o tamanho da tarefa", disse Michael Gerrard, especialista em direito ambiental da Universidade de Columbia.
Como as pessoas reagem ao retorno da normalidade após a pandemia ajudará a definir as crises que afetam o meio ambiente, de acordo com Gerrard. "Uma questão fundamental será: temos uma recuperação verde, aproveitamos a oportunidade para criar empregos em energia renovável e tornar as costas mais resistentes às mudanças climáticas?" ele disse. "O atual presidente dos EUA claramente não está inclinado afazer isso."
McCarthy, agora chefe do Conselho de Defesa dos Recursos Naturais, observou que alguns indianos estavam vendo o Himalaia pela primeira vez devido á dissipação da neblina existente causada pela poluição do ar.


Vulcão inativo há 800 anos na Islândia pode provocar catástrofe


"E será que as pessoas vão querer voltar ao que era antes", disse ela. "A pandemia mostrou que as pessoas mudarão de comportamento se for para a saúde das suas famílias. Esta tem sido a mensagem, de que é um problema humano, não um problema planetário. Temos que mostrar que é possível ter um ambiente estável e trabalho também. "
Os problemas no mundo natural não desapareceram repentinamente, nesta semana, vários investigadores descobriram que o Ártico provavelmente estará sem gelo marinho nos verões antes de 2050, que os incêndios que atingiram a Austrália no início deste ano libertaram mais carbono do que a média anual do país, e que o primeiro trimestre de 2020 foi o segundo mais quente já registrado .
Donald Trump sinalizou que tentará ajudar a indústria de petróleo e gás dos EUA, com US $ 25 biliões já entregues pelo governo dos EUA para apoiar as companhias aéreas. Na China, é certo que os "mercados de animais" cheios de vida selvagem, onde se acredita que o COVID-19 teve origem, não serão encerrados.


Os conservadores alertam que o regresso do mundo á vida pré-pandêmica, acabará rapidamente com todos os benefícios ambientais causados pela paralisação.
"É um alerta muito sério", disse Thomas Lovejoy, um ecologista defensor do termo "diversidade biológica". "Estamos a nos aproximar dos últimos lugares da natureza e ficamos surpreendidos quando algo assim acontece. Fizemos isso com uma contínua intrusão e agressão na natureza. Temos que mudar o rumo".


Vulcão inativo há 800 anos na Islândia pode provocar catástrofe



Referencia//The Guardian




Sem comentários:

Publicar um comentário