quarta-feira, 15 de abril de 2020

Cientistas testam a vacina contra o sarampo no COVID-19

Em apenas alguns meses da pandemia, já estão em desenvolvimento cerca de 115 vacinas contra coronavírus em todo o mundo. O Instituto Pasteur da França está trabalhando no uso de uma vacina modificada contra o sarampo para "induzir" o corpo a produzir anticorpos contra o novo coronavírus.
Em março, a Norway's Coalition for Epidemic Preparedness aprovou uma doação inicial de US $ 4,9 milhões para financiar a pesquisa pré-clínica do instituto. É um dos oito candidatos a vacinas que o CEPI está apoiando, embora apenas dois ou três projetos sejam financiados até o estágio de regulamentação e aprovação.



Investigadores-instituto-pasteur
Photo//Instituto Louis Pasteur


Relatório da OMS indica que 70 vacinas contra o coronavírus estão em desenvolvimento



O CEPI estima que custará US $ 2 biliões para desenvolver uma vacina COVID-19 que pode ser produzida em quantidades suficientes para imunizar biliões de pessoas em tempo recorde. Mas o virologista Frédéric Tangy, chefe do laboratório de inovação de vacinas do instituto, diz que a imunização é a única solução real para a pandemia.
Ele compara as medidas de distanciamento social e auto-isolamento, a colocar um curativo numa ferida aberta.
"De acordo com o que sabemos sobre os potenciais contagiosos da SARS-CoV-2, 60% a 70% da população humana precisa ser imunizada", disse Tangy ao Business Insider, usando o nome científico do vírus.

O Instituto Pasteur, inaugurado em 1888, tem um histórico invejável no combate a doenças infeciosas, e foi batizado com este nome em homenagem a Louis Pasteur, o bioquímico francês pioneiro que desenvolveu as vacinas contra antraz e raiva. Nos anos seguintes, fez avanços revolucionários contra febre tifoide, tuberculose, poliomielite, febre amarela, HIV e outros.
Atualmente, disse Tangy, quase todos os 133 departamentos do campus de Paris do instituto estão focados na pandemia do COVID-19.
Em janeiro, os cientistas de Pasteur concluíram o primeiro sequenciamento completo do genoma do coronavírus na Europa, poucos dias após os primeiros casos de COVID-19 da França. Foi um passo essencial para entender se o vírus havia sofrido uma mutação significativa desde sua descoberta inicial em Wuhan, na China, o que felizmente não parece ter acontecido.

O instituto testou uma vacina modificada contra o sarampo para combater outros vírus.
A equipe de Tangy está modificando uma vacina padrão contra o sarampo para incluir uma única proteína SARS-CoV-2. Eles esperam que isso desencadeie uma resposta imunológica equivalente à atual vacina MMR que protege contra sarampo, caxumba e rubéola.
Vacinas vivas atenuadas induzem uma imunidade forte e duradoura após uma única injeção e são de fabricação barata. O uso de uma vacina licenciada contra o sarampo também significa que os processos de teste e patenteamento serão mais rápidos.

"Todas as fábricas do mundo podem produzir uma vacina contra o sarampo", disse Tangy.
A estratégia já produziu resultados promissores para a vacina protótipo do instituto para Chikungunya , que infecta milhões no sul da Ásia e na África a cada ano, causando inchaço nas articulações, dores musculares e erupções cutâneas. Pode ser fatal em jovens e idosos e em pessoas com problemas de saúde subjacentes.
Após sete anos de ensaios clínicos, a vacina Chikungunya está finalmente na Fase 3, quando sua eficácia está sendo testada em milhares de pessoas.
"E consideramos isso rápido", disse Tangy. O candidato á vacina contra o coronavírus do instituto está se desenvolvendo a uma velocidade vertiginosa quando comparado.

A chegada do Verão não fará o novo coronavírus desaparecer


Qual é o cronograma da vacina?

Caso seu candidato a vacina se mostre encorajador, os parceiros do instituto no Centro de Pesquisa de Vacinas da Universidade de Pittsburgh poderão iniciar testes em animais numa questão de meses. O próximo passo seria a empresa austríaca de biotecnologia Themis fabricar centenas de frascos para ensaios clínicos.
Tangy prevê que a vacina pode começar a ser testada em pessoas dentro de um ano. Ele alertou que os pesquisadores precisam de tempo suficiente para poder testar, e verificar se existem efeitos colaterais, para que possam preveni-los ou mitigá-los.
"O problema muito sensível da vacina contra esse vírus é a resposta imune, que pode ser muito mais letal do que a própria doença", disse ele. "Uma vacina descontrolada seria perigosa".



Nos EUA, o coronavírus está matando desproporcionalmente pessoas negras


Referencia//Business Insider


Sem comentários:

Publicar um comentário