sexta-feira, 17 de abril de 2020

CIA já tinha informado os EUA do surto do coronavirus em Novembro de 2019

Um relatório da ABC News afirmou que as autoridades de inteligência dos EUA haviam alertado as forças armadas e a Casa Branca sobre a propagação de um surto de coronavírus na China já no final de novembro de 2019, tendo o Pentágono negado a existência do "produto / avaliação".
A Comunidade de Inteligência Americana (CIA), diz no relatório, que soube da doença que se propagava na cidade chinesa de Wuhan na segunda semana de novembro, reunindo um documento classificado que mapeia os perigos potenciais da sua propagação para outros países. 



wuhan-china-coronavirus-covid-19-pandemic-epicenter-
Wuhan, Photo//CNN


Cientistas testam a vacina contra o sarampo no COVID-19




O relatório sugere que as informações relativas ao vírus eram conhecidas apenas pelo governo chinês na época.
Enquanto os funcionários CIA tentavam transmitir as informações à Casa Branca, o governo Trump “não considerou isso interessante”, mas achou adequado familiarizar dois aliados com o documento classificado, a OTAN e Israel.
No final de novembro, foram citados no relatório oficiais militares israelenses, como tendo ponderado os perigos potenciais do vírus que se espalhou para a região e os países vizinhos, com as informações classificadas supostamente chegando aos políticos e ao Ministério da Saúde, onde "nada foi feito".
A 9 de Abril ABC News insinuou que a Comunidade de Inteligência Americana tinha emitido avisos sobre a ameaça coronavírus num relatório elaborado em dezembro pelo Centro Nacional de Inteligência Médica do exército norte-americano.


Relatório da OMS indica que 70 vacinas contra o coronavírus estão em desenvolvimento


De acordo com duas autoridades familiarizadas com o conteúdo do documento, citadas pela ABC News, as preocupações com um surto de coronavírus em Wuhan da China foram apresentadas num boletim da CIA, redigido pelo Centro Nacional de Inteligência Médica (NCMI), com base em imagens de satélite e análise de intercetações de comunicações.
"Os analistas concluíram que poderia ser um evento cataclísmico. Depois, foram foitas informações, por várias vezes, à Agência de Inteligência de Defesa, ao Estado-Maior Conjunto do Pentágono e à Casa Branca", afirmou uma das fontes.
O Pentágono posteriormente emitiu uma declaração negando a existência do "produto / avaliação".
Não houve comentários por parte do Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca ou do Escritório do Diretor de Inteligência Nacional, informa a ABC News.
Não houve confirmação se foi o mesmo relatório que foi supostamente compartilhado com Israel no ano passado.
Desde então, o governo chinês negou repetidamente ocultar informações nos primeiros dias do surto, insistindo que imediatamente as denunciou à Organização Mundial da Saúde.



O ataque do coronavírus ao sistema imunológico é semelhante ao HIV


Referencia//SputnikNews


Sem comentários:

Publicar um comentário