quinta-feira, 5 de março de 2020

O novo coronavírus: perguntas e respostas

Um novo coronavírus está se espalhando, causando quase 100.000 doentes e milhares de mortes em todo o mundo.
Aqui estão as respostas para algumas perguntas básicas sobre o novo coronavírus.



coronavirus
Photo CNN

Cientistas rejeitam alegações de que o coronavírus fosse criado em laboratório



Qual é o novo coronavírus?



Os coronavírus constituem uma grande família de vírus que podem causar doenças respiratórias, como o resfriado comum. O novo vírus é um tipo de coronavírus ate agora desconhecido. Ele apareceu pela primeira vez em Wuhan, na China, em dezembro de 2019. As autoridades nomearam o novo vírus SARS-CoV-2, devido à sua similaridade genética com o coronavírus que causa a síndrome respiratória aguda grave, ou SARS. O nome oficial da doença causada por SARS-CoV-2 é COVID-19.

Quais são os sintomas?


Os sintomas relatados em pacientes variaram de leve a grave e podem incluir febre, tosse e falta de ar, de acordo com o CDC.

Quanto tempo leva para os sintomas aparecerem?


O tempo entre apanhar um vírus e mostrar os sintomas da doença é conhecido como período de incubação. Para o novo coronavírus, o período de incubação é estimado entre um a 14 dias, embora alguns estudos tenham relatado um período de incubação de até 24 dias.

Quais os primeiros sintomas do coronavírus.


Como o coronavírus se espalha?


Pensa-se que o vírus se espalhe principalmente através de gotículas respiratórias produzidas quando uma pessoa infetada tosse ou espirra. Mas outras rotas de transmissão são possíveis.


Qual o índice de mortalidade do vírus?


A taxa de mortalidade do novo coronavírus ainda está sendo estudada, mas parece ser mais mortal que a gripe, que tem uma taxa de mortalidade de cerca de 0,1%. Num grande estudo publicado no dia 18 de fevereiro no China CDC Weekly, os investigadores descobriram uma taxa de mortalidade por COVID-19 ronda os 2,3% na China continental. Porém, em 5 de março, a Organização Mundial da Saúde anunciou uma taxa de mortalidade um pouco mais alta, de cerca de 3,4%. Ainda assim, é possível que casos leves do vírus estejam sendo perdidos, o que pode diminuir a taxa de mortalidade. No geral, os idosos e aqueles com condições médicas subjacentes parecem estar em maior risco de complicações graves do COVID-19.


De onde veio o coronavírus?


A fonte exata do novo coronavírus não é conhecida. Num novo estudo, no entanto, os investigadores compararam a sequência genética do SARS-CoV-2 (anteriormente chamada 2019-nCoV) com as de uma biblioteca de sequências virais, descobrindo que os vírus mais intimamente relacionados eram dois coronavírus originados em morcegos. Ambos os coronavírus compartilharam 88% de sua sequência genética com SARS-CoV-2. Outro estudo encontrou 96% de similaridade entre um vírus encontrado em morcegos e o SARS-CoV-2.
Com base nesses resultados, os autores do estudo disseram que o SARS-CoV-2 provavelmente teve origem em morcegos. No entanto, nenhum morcego foi vendido no mercado de frutos do mar de Huanan, em Wuhan, onde se acredita ser a origem do surto, o que sugere que outro animal, ainda não identificado, atuou como transmissão do vírus aos seres humanos.
Uma serie de estudos sugeriu que esse animal "intermediário" era o pangolim, um mamífero que come formigas. No entanto, os vírus encontrados em amostras de pangolins traficados ilegalmente tinham poucas semelhanças com o SARS-CoV para provar que os tamanduás escamosos eram a fonte do novo vírus, informou a Nature .
Um outro estudo anterior sugeriu cobras, que foram vendidas no Huanan Seafood Market, como uma possível fonte do novo vírus. No entanto, alguns especialistas criticaram a análise do estudo, dizendo que não está claro se o coronavírus pode infetar as cobras.

Qual é o tratamento?


Não existe tratamento específico para o COVID-19. Para os pacientes que desenvolveram essa doença, o tratamento envolveu "cuidados de suporte", como fluidos e medicamentos, para aliviar sintomas como falta de ar. Para casos graves, o tratamento deve incluir cuidados para apoiar as funções vitais dos órgãos, disse o CDC.
Em 25 de fevereiro, as autoridades americanas anunciaram que estava sendo realizado um ensaio clínico para avaliar um tratamento para o COVID-19, de acordo com o National Institutes of Health . O estudo testará um medicamento antiviral chamado remdesivir em adultos hospitalizados que têm COVID-19. O primeiro participante do estudo é um americano que apanhou a doença a bordo do navio de cruzeiro Diamond Princess. Essa pessoa está sendo tratada no Centro Médico da Universidade de Nebraska. O estudo pode ser adaptado para examinar outros tratamentos e registrar pacientes em outros locais nos EUA e no mundo, disseram autoridades.


Como se proteger?


A melhor maneira de prevenir a infeção pelo COVID-19 é evitar a exposição ao vírus, afirmou o CDC. Em geral, o CDC recomenda o seguinte para evitar a propagação de vírus respiratórios: Lave as mãos frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos, evite tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas, evitar contato próximo com pessoas doentes, fique em casa quando estiver doente, e limpe e desinfete objetos e superfícies tocados frequentemente.


Se não for controlado, o coronavírus pode infetar 60% da população mundial



Referencia//LiveScience


Sem comentários:

Publicar um comentário