terça-feira, 17 de março de 2020

Novas evidências mostram como o COVID-19 reduziu a poluição atmosférica global

De dia para dia a pandemia do COVID-19 está se tornando cada vez mais esmagadora, com o aumento de bloqueios, tendo já vitimado mais de 7.000 pessoas em todo o mundo e causando um impacto direto na economia global.
Mas se houver boas notícias, relacionado com a disseminação do novo coronavírus, é a diminuição da poluição do ar, possivelmente salvando muitas vidas no processo.

A 8 de março, o economista de recursos ambientais da Universidade de Stanford, Marshall Burke, fez alguns cálculos detalhados sobre a recente queda da poluição do ar em algumas partes da China e as possíveis vidas que foram salvas, publicando-a num blog global de alimentos, meio ambiente e dinâmica económica, G-FEED.
A situação continuou desenrolando-se desde então, se bem que esses números não fiquem atualizados por muito tempo; mas, de acordo com Burke, é muito provável que as vidas salvas na China pela redução na poluição excedam as mortes por COVID-19.
"Dada a enorme quantidade de evidências de que respirar o ar de má qualidade contribui muito para a mortalidade prematura, uma pergunta natural, é se as vidas salvas dessa redução na poluição causada pela interrupção económica do COVID-19 excedem o número de mortos pelo vírus. ", escreve Burke .
"Mesmo sob suposições muito conservadoras, acho que a resposta é um claro 'sim'".


Burke calcula que os dois meses de redução da poluição provavelmente salvaram a vida de 4.000 crianças com menos de 5 anos e 73.000 adultos com mais de 70 anos, isto na China, o que é significativamente mais do que o atual número global de mortos pelo próprio vírus.
Embora isso possa parecer um pouco surpreendente, é algo que conhecemos há bastante tempo. No início deste mês, pesquisas sugeriram que a poluição do ar nos reduz três anos, em média, da nossa expectativa de vida.
"É notável que tanto o número de mortes, como a perda de expectativa de vida causada pela poluição do ar rivalizem com o efeito do fumo do tabaco e sejam muito maiores do que outras causas de morte", afirmou o físico Jos Lelieveld, do Instituto Chipre de Nicósia na época.
"A poluição do ar excede a malária como causa global de morte prematura por um fator de 19, excede a violência por um fator de 16, o HIV / AIDS por um fator de 9, o álcool por um fator de 45 e o abuso de drogas por um fator de 60. "
Portanto, está bem estabelecido que a poluição do ar realmente mata.


Mas a análise de Burke usou apenas dados da China e foi concluída antes que houvesse mais informações sobre como o COVID-19 afetou o resto do mundo.
Com o segundo maior número de casos ocorrendo na Itália e o país implementando medidas rigorosas de quarentena, os dados de satélite no norte da Itália mostraram uma grande quebra na poluição do ar, especificamente dióxido de nitrogênio, um gás emitido principalmente por carros, camiões, centrais térmicas e fabricas e navios.
Usando o instrumento Tropomi no satélite Copernicus Sentinel-5P, imagens tiradas entre 1 de janeiro e 11 de março de 2020, mostram que o dióxido de nitrogénio caiu grandemente.

Pode ver isso no vídeo abaixo:





"O declínio nas emissões de dióxido de nitrogénio sobre o vale do Pó no norte da Itália é particularmente evidente", explica Claus Zehner, da ESA Copernicus Sentinel-5P.
"Embora possa haver pequenas variações nos dados devido à cobertura de nuvens e às mudanças climáticas, estamos muito confiantes de que a redução nas emissões que podemos ver coincide com o bloqueio na Itália, causando menos tráfego e atividades industriais".
Por enquanto, não temos estudos revisados ​​por pares que meçam o verdadeiro impacto na saúde que a redução de emissões trará, mas dado o que sabemos sobre os perigos da poluição generalizada do ar, é provável que haja um benefício direto na forma de menos mortes relacionadas com a poluição. 
Mesmo assim, dificilmente pode compensar a devastação da pandemia do COVID-19. Mas esses números preliminares demonstram que esse desastre global de saúde é uma oportunidade para avaliar, quais os aspetos da vida moderna que são absolutamente necessários e que mudanças positivas podem ser possíveis se mudarmos nossos hábitos á escala global.


Dez boas notícias sobre o coronavírus


Referencia//ScienceAlert


Sem comentários:

Publicar um comentário