terça-feira, 4 de fevereiro de 2020

Travar a mudança climática agora, é a opção mais barata

Garantir a sobrevivência da raça humana é algo que não tem preço, mas uma das razões pelas quais os governos quase nunca estão interessados ​​em agir em relação ás mudanças climáticas são os custos exorbitantes para fazê-lo.
Porém, uma nova pesquisa que investiga os custos futuros de enfrentar um planeta em aquecimento mostra como essa maneira de pensar é contra-intuitiva, porque quanto mais esperarmos para agir, maior será a fatura a longo prazo.



Seca-extrema
Photo Pixabay//TheDigitalArtist

Várias simulações das alterações climáticas indicam um futuro negro



De acordo com os cálculos do estudo, a opção mais barata nesse momento é pagar o que for necessário para limitar o aumento da temperatura global no próximo século a 2 graus Celsius, a meta a que os governos se comprometeram com o Acordo de Paris .
"Para garantir o bem-estar econômico de todas as pessoas nestes tempos de aquecimento global, precisamos equilibrar os custos dos danos causados ​​pelas mudanças climáticas e os de mitigação das mudanças climáticas", diz o cientista climático Anders Levermann, do Instituto Potsdam de Pesquisa de Impacto Climático (PIK) em Alemanha.
Para chegar a esses números, Levermann e seus colegas usaram a simulação dinâmica integrada do clima (DICE), desenvolvida pelo ganhador do Nobel de Economia William Nordhaus, construída especificamente para analisar os impactos das mudanças climáticas.
O modelo DICE pesou os custos de cortar as emissões de gases de efeito estufa (por meio de uma redução no uso de carvão) contra os custos de outras mudanças climáticas, aumento de condições climáticas extremas, redução da capacidade de trabalho humano e assim por diante.

Um estudo anterior, de 2015, foi usado como um guia sobre como a temperatura e o produto interno bruto (PIB) global estão conectados, com os danos das mudanças climáticas começando do zero a partir de 2020 e projetados até 2100.
Há muitas variáveis ​​a serem consideradas, os padrões de consumo podem mudar, o impacto que as mudanças climáticas podem ter nos conflitos em todo o mundo, os efeitos de vários pontos de inflexão que ainda não calculamos, mas economicamente falando, travar o aquecimento em 2 graus Celsius é a nossa opção mais barata.
"É notável a robustez razoável do limite de temperatura de mais ou menos 2 graus C, destacando-se em quase todas as curvas de custo que produzimos", diz o cientista climático Sven Willner,  da PIK.
Os investigadores dizem que é necessária uma "ação global rápida e fundamental" para conter o aumento das temperaturas em todo o mundo, com base nos melhores dados que temos até agora. Adiar a ação para mais tarde só vai encarecer.


Photo//Pixabay/EliasSch

Robô subaquático faz descoberta alarmante na Antártica


Espera-se que o início de 2020 marque um ponto de mudança na atitude mundial em relação à crise climática, estando aparecendo sinais nesse sentido, e que possamos manter o aquecimento global abaixo de 2 graus Celsius ou o mais próximo possível.
Com custos elevados ou não, é a única opção que temos.
"O mundo está ficando sem desculpas para não fazer nada", diz Levermann . "Todos aqueles que têm dito que a estabilização do clima seria boa, mas é muito cara, podem ver agora que o aquecimento global é realmente muito mais caro".

O 'Relógio do Juízo Final' está mais perto da meia-noite do que nunca




Referencia//Nature Communications.



Sem comentários:

Publicar um comentário