domingo, 23 de fevereiro de 2020

Startup australiana “promete” produção de energia “ilimitada”

Uma startup australiana chamada HB11, subsidiária da Universidade de New South Wales, afirma ter encontrado uma maneira de revolucionar a atual tecnologia de fusão nuclear, preparando as bases para uma nova era de geração de energia, sem correr o risco de colapso nuclear.
 A energia de fusão, como o próprio nome sugere, aproveita a energia libertada quando os núcleos atómicos se fundem, contrariamente à fissão, que divide os núcleos para gerar eletricidade.



Fusão-nuclear
Photo Spotsci.


Filme flexível e transparente transforma qualquer superfície numa célula solar



 A fusão é o santo graal da produção de energia há décadas, mas os cientistas ainda precisam alcançar uma reação que produza mais energia do que precisa para começar, e agora estão mais próximos disso.
Isso pode parecer bom demais para ser verdade, e vale a pena notar que parece haver um dilema com algumas alegações. Desapareceu um comunicado de imprensa sobre a tecnologia no site da Universidade de New South Wales. embora uma cópia de backup pareça ainda estar online.
Ainda assim, a versão de backup faz reivindicações extraordinárias. Ele diz que o HB11 encontrou uma nova maneira de acabar com a atual abordagem de energia de fusão que requer temperaturas e níveis de pressão excessivamente altas para funcionar.
Em teoria,e no momento, não é muito mais que uma teoria, a abordagem do HB11 é extremamente simplificada e significativamente mais barata. A técnica conta com hidrogénio e um isótopo de boro B-11, em vez de isótopos radioativos extremamente raros e caros, como o trítio, e emprega um conjunto especializado de lasers para fazer a reação acontecer.


Empresa minerará hidrogénio verde com incêndios subterrâneos



Dentro de uma “esfera de metal praticamente vazia”, os pellets de combustível dos isótopos do HB-11 são disparados com dois lasers para desencadear uma “reação em cadeia de fusão 'avalanche' '”, assim descreve a empresa no comunicado.
"Podemos dizer que estamos usando o hidrogénio como um dardo, e esperando atingir um boro, e se atingirmos um, podemos iniciar uma reação de fusão", disse McKenzie ao New Atlas . "Essa é a essência disso." "Criar fusão usando temperatura é essencialmente mover átomos aleatoriamente e, esperando que eles se colidam, nossa abordagem é muito mais precisa", acrescentou.
O processo até ignora a “necessidade de um trocador de calor ou gerador de turbina a vapor” e pode alimentar um fluxo elétrico “quase diretamente na rede elétrica existente”, de acordo com o comunicado da empresa.


Sem lixo nuclear, sem vapor, sem hipótese de um colapso nuclear. Parece bom demais para ser verdade, mas a startup ainda tem muito a provar. McKenzie admitiu que não sabe se ou quando a ideia da startup poderia ser transformada em realidade comercial.
"Não quero ser motivo de chacota prometendo que podemos entregar algo em 10 anos e depois não chegar lá", disse ele ao New Atlas .
Aguardemos então na expetativa desta fonte de energia inesgotável


Nova maneira de armazenar energia limpa


Referencia//Futurism


Sem comentários:

Enviar um comentário