terça-feira, 11 de fevereiro de 2020

Se não for controlado, o coronavírus pode infetar 60% da população mundial

Um epidemiologista da saúde pública diz que outros países devem considerar a adoção de medidas de contenção no estilo chinês. A epidemia de coronavírus pode se espalhar para cerca de dois terços da população mundial, se não puder ser controlada, de acordo com o principal epidemiologista de saúde pública de Hong Kong.
O alerta foi dado depois do chefe da Organização Mundial da Saúde (OMS) disser que casos recentes de pacientes com coronavírus que nunca haviam visitado a China podem ser a "ponta do iceberg".


Coronavirus-proteçao-policial
 Photo: Anthony Wallace / AFP via Getty Images


O professor Gabriel Leung, diretor de medicina de saúde pública da Universidade de Hong Kong, disse que a principal questão é descobrir o tamanho e a forma do iceberg. A maioria dos especialistas achava que cada pessoa infetada transmitiria o vírus para cerca de 2,5 outras pessoas. Isso deu uma "taxa de ataque" de 60 a 80%.
"Sessenta por cento da população mundial é um número muito grande", disse Leung ao Guardian em Londres.
Mesmo que a taxa geral de mortalidade seja baixa, como 1%, o que Leung acha ser possível, quando os casos mais leves são levados em consideração, o número de mortes seria enorme.
Ele dirá, na reunião da OMS, que a questão principal é a escala da crescente epidemia mundial e a segunda prioridade é descobrir se as medidas drásticas tomadas pela China para impedir a disseminação funcionaram, porque, nesse caso, outros países devem pensar em adota-las.

A reunião de Genebra reúne mais de 400 investigadores e autoridades, incluindo alguns participantes de videoconferência da China continental e Taiwan. "Com 99% dos casos na China, isso continua sendo uma emergência para esse país, mas que representa uma ameaça muito grave para o resto do mundo", disse o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, em suas observações iniciais. Até o momento, a China registrou 42.708 casos confirmados, incluindo 1.017 mortes, disse Tedros.
Leung, um dos especialistas mundiais em epidemias de coronavírus, que desempenhou um papel importante no surto de Sars em 2002-03, trabalha em estreita colaboração com outros cientistas importantes, como colegas do Imperial College de Londres e da Universidade de Oxford.
No final de janeiro, ele alertou num jornal, o Lancet, que os surtos provavelmente estavam "crescendo exponencialmente" nas cidades da China, ficando apenas uma a duas semanas atrás de Wuhan. Em outros lugares, “surtos independentes e auto-sustentáveis ​​nas principais cidades do mundo podem se tornar inevitáveis” por causa do movimento substancial de pessoas infetadas, mas que ainda não desenvolveram sintomas, e a ausência de medidas de saúde pública para impedir a disseminação.




   Desinfetante pulverizado em pessoas que entram em um complexo residencial em Tianjin, China. 
Photo: STRINGER / Reuters


Epidemiologistas e modeladores estavam tentando descobrir o que provavelmente aconteceria, disse Leung. “60 a 80% da população mundial será infetada? Talvez não. Talvez isso venha em ondas. Talvez o vírus deixe de ser tão mortal, porque certamente não ajuda se matar todo mundo, porque também morrerá”, disse ele.
Os especialistas também precisam saber se as restrições no centro de Wuhan e em outras cidades reduziram as infeções. "Essas intervenções massivas de saúde pública, distanciamento social e restrições de mobilidade funcionaram na China?", Perguntou ele. "Se sim, como podemos implementá-las ou não é possível?"
Vamos supor que elas funcionaram. Mas por quanto tempo podemos fechar as escolas? Por quanto tempo você podemos bloquear uma cidade inteira? Quanto tempo você pode manter as pessoas afastadas dos shopping centers? E se retirarmos essas restrições, tudo voltará o mesmo? Então, essas são perguntas muito reais ”, disse ele.
Se o bloqueio da China não funcionou, há outra verdade desagradável a ser enfrentada: que o coronavírus pode não ser possível conter. Então o mundo terá que mudar de estratégia, vez de tentar conter o vírus, precisará trabalhar para mitigar seus efeitos.
Por enquanto, as medidas de contenção são essenciais. Leung disse que o período em que as pessoas foram infetadas, mas que não tiveram sintomas, continua sendo um grande problema. A quarentena era necessária, mas para garantir que as pessoas ainda não transportassem o vírus quando saíssem, todos deveriam idealmente ser analisados de dois em dois dias. Se alguém dentro de um campo de quarentena ou em um navio de cruzeiro atingido for positivo, o relógio deverá ser redefinido para 14 dias ou mais para todos os outros.

Alguns países em risco por causa do movimento de pessoas para e da China tomaram precauções. Numa visita à Tailândia há três semanas, Leung conversou com o ministro da Saúde e aconselhou a criação de campos de quarentena, medida seguida pelo governo. Mas outros países com links para a China parecem, inexplicavelmente, não ter casos, como a Indonésia. “Os cientistas ainda não sabem ao certo se a transmissão ocorre através de gotículas de tosse ou possivelmente partículas transportadas pelo ar. É bastante difícil fazer esse tipo de trabalho cuidadoso e detalhado quando tudo está acontecendo. E, a menos que seja violento, é improvável que se obtenha casos confirmados em numero suficiente ”, afirmou. "Com o Sars, nunca tivemos a hipótese de fazer esse tipo de estudo."
Hong Kong, que tem 36 casos confirmados de coronavírus, estava no pior conjunto possível de circunstâncias para combater uma epidemia violenta, disse Leung.
É preciso uma dose de confiança extra, senso extra de solidariedade, senso extra de boa vontade, os quais foram completamente esgotados. Toda última gota naquele tanque de combustível de capital social se esgotou após oito meses de inquietação social, por isso não podia chegaram em um momento pior ”, disse ele.

Referencia//The Guardian




Sem comentários:

Publicar um comentário