sábado, 8 de fevereiro de 2020

Quanto tempo os coronavírus resistem nas superfícies e como inativá-los

O novo coronavírus 2019-nCoV é notícia em todo o mundo. Como não existe terapia específica contra ele, a prevenção da infeção é de particular importância para conter a epidemia. 
Como todas as infeções por gotículas, o vírus pode se espalhar pelas mãos e superfícies que são tocadas frequentemente. 



Corona.-virus
"Nos hospitais, podem ser maçanetas, por exemplo, mas também podem botões de chamar, mesas de cabeceira, armações de cama e outros objetos nas proximidades diretas dos pacientes, que geralmente são de metal ou plástico", explica o professor Günter Kampf, do Instituto de Higiene e Medicina Ambiental do Hospital Universitário Greifswald.
Juntamente com o professor Eike Steinmann, chefe do Departamento de Virologia Molecular e Médica da Ruhr-Universität Bochum (RUB), ele compilou descobertas abrangentes de 22 estudos sobre coronavírus e sua inativação para um futuro livro didático. "Nessas circunstâncias, a melhor abordagem era publicar esses fatos científicos verificados com antecedência, a fim de disponibilizar rapidamente todas as informações", diz Eike Steinmann.

Infecioso nas superfícies por até nove dias

Os estudos avaliados, baseados nos coronavírus Sars e Mers, mostraram, por exemplo, que os vírus podem persistir em superfícies e permanecer infeciosos à temperatura ambiente por até nove dias. Em média, eles sobrevivem entre quatro e cinco dias. "Baixa temperatura e humidade alta aumentam ainda mais sua vida útil", aponta Kampf.
Testes com várias soluções de desinfeção mostraram que agentes à base de etanol, peróxido de hidrogênio (agua oxigenada) ou hipoclorito de sódio são eficazes contra os coronavírus. Se aplicados em concentrações apropriadas, eles reduzem o número de coronavírus infeciosos em quatro chamadas etapas de registo num minuto. Isso significa, por exemplo, reduz de um milhão para apenas 100 partículas patogênicas.
Se forem utilizadas preparações à base de outros ingredientes ativos, deve-se provar que o produto é pelo menos eficaz contra vírus envelopados ("atividade virucida limitada"). "Como regra, isso é suficiente para reduzir significativamente o risco de infeção", explica Günter Kampf.

As conclusões devem ser aplicáveis ao 2019-CoV

Os especialistas assumem que os resultados das análises de outros coronavírus são transferíveis para o novo vírus. "Diferentes coronavírus foram analisados ​​e os resultados foram todos semelhantes", conclui Eike Steinmann.


O misterioso surto chinês chegou á Europa


Referencia//Eurekalert



Sem comentários:

Publicar um comentário