domingo, 9 de fevereiro de 2020

Os países do Golfo poderão ficar sem dinheiro antes de ficar sem petróleo

Os países do Oriente Médio podem ficar sem dinheiro muito antes de ficarem sem petróleo, de acordo com um alerta severo emitido pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) num relatório emitido a seis de Fevereiro.
A organização sediada em Washington diz que a procura global por petróleo deve se extinguir por volta de 2040, embora isso possa acontecer muito mais cedo se houver um esforço global conjunto para tratar das mudanças climáticas e melhorias mais rápidas na eficiência energética.


Arabia-saudita
Photo Istoedinheiro


Isso significa que os exportadores de petróleo do Golfo necessitam reequilibrar fundamentalmente suas economias. O FMI diz que, sem reformas muito mais significativas do que as já anunciadas, a riqueza financeira da Arábia Saudita, Kuwait, Emirados Árabes Unidos e outras poderá acabar até 2034.
"Os países exportadores de petróleo podem precisar estar prontos para um futuro pós-petróleo mais cedo ou mais tarde", diz o relatório, chamado “O futuro do petróleo e da sustentabilidade fiscal na região do GCC “.
Os governos do Gulf Cooperation Council, um bloco de seis países, incluindo Bahrain, Kuwait, Omã, Catar, Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos, que juntos produzem mais de um quinto do abastecimento mundial de petróleo, já lançaram planos ambiciosos para diversificar suas economias do petróleo e do gás. O esforço de maior destaque é provavelmente o programa Vision 2030 da Arábia Saudita, defendido pelo controverso príncipe herdeiro Mohammed bin Salman, mas é um caminho que todos os seis países estão seguindo.


No entanto, apesar dessas iniciativas, o petróleo e o gás continuam sendo um elemento central para as economias da região e houve um progresso limitado no desenvolvimento de atividades do setor privado não petrolífero. O FMI ressalta que, mesmo onde houve progresso nessa frente, grande parte da atividade econômica não petrolífera depende indiretamente dedo petróleo, em gastos públicos ou privados de riqueza derivada do petróleo.
O relatório do FMI reconhece que os países do Golfo estão cientes dessas questões e estão ajustando seus orçamentos para levar em conta o ambiente desafiador que se avizinha. “No entanto, a velocidade e o tamanho dessas consolidações na maioria dos países podem não ser suficientes para estabilizar sua riqueza. Esses ajustes precisam ser acelerados e sustentados por um longo período de tempo ”, alerta o relatório.
O FMI também recomenda que, juntamente com os esforços de diversificação, os governos do Golfo precisem aumentar mais receita com impostos e cortar gastos. "Os governos provavelmente precisarão reduzir os gastos governamentais", alerta.



Extraçao-de-petroleo
Photo://Fotolia

O que é a energia eólica Offshore?


O relatório não se aventura em comentários políticos, mas há um claro perigo subjacente a este último ponto. A ideia de um Estado com menos poder financeiro, é delicada para a região, dado o contrato social implícito entre os regimes autocráticos do Golfo e seus cidadãos, nos quais as famílias governantes não limitam o poder, mas, em troca, oferecem um sistema de assistência social do princípio ao fim.
Em última análise, porém, os líderes regionais podem achar que têm poucas opções. O FMI diz que a região pode fazer reformas agora ou deixar a tarefa para as gerações futuras. De qualquer maneira, a mudança terá que ocorrer. Caso contrário, o dinheiro realmente acabará.

Referencia// Dominic Dudley Forbes



Sem comentários:

Publicar um comentário