terça-feira, 25 de fevereiro de 2020

“Doomsday Vault' a esperança da humanidade

O “Doomsday Vault” fica dentro do Círculo Polar Ártico, na ilha de Spitsbergen, a meio caminho entre a Noruega continental e o Polo Norte. Tudo o que pode ser visto do lado de fora do cofre é a entrada, uma estrutura futurista de betão, iluminada com luzes de fibra óptica verde-azulada. 
O restante do edifício está no interior da  montanha,  para manter as temperaturas baixas. Ele foi projetado para permanecer a -18 graus Celsius, mesmo sem energia e é suposto durar mais que a humanidade.


O cofre foi construído para conservar algo inestimável: sementes. Oficialmente conhecido como o Svalbard Global Seed Vault, este é um mecanismo de backup para os 1.700 bancos de sementes em todo o mundo. É uma biblioteca de diversidade e uma cápsula do tempo da história agrícola, projetada para proteger as colheitas mais importantes do mundo contra catástrofes, onde se inclui guerras, doenças e as cada vez mais catastróficas, mudanças climáticas.
O cofre possui sementes de mais de 5.000 espécies, fornecidas por bancos de sementes de quase todos os países do mundo. O objetivo é armazenar uma cópia de cada semente única que existe atualmente na rede global de bancos de sementes.
O Svalbard Global Seed Vault é o sistema de backup centralizado para bancos de sementes em todo o mundo. Seu objetivo é preservar a diversidade de culturas para as gerações futuras.
Este mês será feito o maior depósito de sementes no cofre desde que foi inaugurado em 2008, com 36 bancos de sementes armazenando amostras na terça-feira, elevando o número total de sementes dentro do cofre para pouco mais de um milhão.

Entre eles está a tribo Cherokee, a primeira tribo dos EUA a depositar sementes no cofre. O Svalbard Global Seed Vault abordou a tribo Cherokee depois de ler uma história da NPR sobre o programa da tribo para conservar sementes importantes e distribuí-las aos cidadãos da tribo Cherokee nos EUA e no exterior.
A tribo selecionou nove sementes para o cofre, incluindo milho Cherokee de águia branca, milho de farinha amarela, feijão longo e gorduroso, feijão Trail of Tears e abóbora assada. Eles foram identificados como tendo o valor mais histórico e os pedidos mais populares do banco de sementes da tribo.
"É uma grande honra", disse Chuck Hoskin Jr., líder dos Cherokees, ao fazer o depósito de sementes de Svalbard. “Diz algo sobre a força e resistência da nação Cherokee. Estamos falando de plantas que antecedem a chegada dos europeus. Estamos falando de plantas que nos ajudaram a sustentar enquanto os Estados Unidos e os colonos brancos estavam invadindo nossas terras. ”
O cofre foi construído como uma apólice de seguro contra todos os tipos de catástrofes - artificiais ou naturais, mas a mudança climática parece cada vez mais ser o caso mais convincente de sua existência. As mudanças climáticas estão elevando as temperaturas do ar e do oceano, distorcendo os ecossistemas e provocando ciclos destrutivos. E a biodiversidade está pagando um preço muito alto.
Um relatório histórico das Nações Unidas no ano passado descobriu que até um milhão de espécies terrestres e marinhas podem se extinguir na próxima década.


Svalbard-Global-Seed-Vault
Photo DIVERSITY TRUST


Enquanto começamos a sentir a tristeza de perder espécies animais, talvez tenhamos menos consciência do impacto da perda de espécies vegetais. Essa é uma perda irrevogável, não são apenas os alimentos que as plantas produzem e as culturas que desaparecem. Também perdemos uma arma essencial na luta contra a crise climática, a diversidade.
Apenas três culturas, o arroz, o trigo e o milho, representam mais de 50% das calorias derivadas de plantas do mundo, de acordo com um relatório de 2017 da organização de pesquisa Bioversity International. Essa falta de diversidade deixa nossos sistemas alimentares imensamente em risco de doenças e mudanças climáticas. Enquanto isso, as variedades tradicionais de sementes com características que as tornam mais resistentes às mudanças climáticas estão se perdendo.
Esse é o objetivo do cofre de Svalbard. "Todas as sementes do Svalbard Global Seed Vault contêm soluções em potencial para a agricultura sustentável, soluções vitais para alimentar uma população em crescimento e alcançar uma transição verde", disse Lise Lykke Steffensen, diretora executiva da NordGen.






O cofre em si, localizado na  área de aquecimento mais rápido do planeta , não é imune às mudanças climáticas. Em 2016, um verão quente no Ártico levou a que a água proveniente do derretimento do permafrost a penetrasse na entrada do cofre. A água não chegou aos cofres das sementes, mas foi um aviso claro de que o cofre não era tão inexpugnável quanto se pensava.
Uma atualização de US $ 21,6 milhões (20 milhões de euros), incluindo um novo túnel de acesso à prova d'água, foi concluída em 2019, tornando-a numa instalação segura agora.

Cientistas do Mit criam sistema para as ameaças de asteroides



Referencia//Huffpost



Sem comentários:

Publicar um comentário