quinta-feira, 13 de fevereiro de 2020

China anunciou um aumento de mortes e infeções do coronavirus

As Autoridades da Comissão de Saúde da Província de Hubei, na China, a zona onde apareceu o surto mortal do COVID-19, anunciaram um grande aumento nos casos na manhã desta quinta-feira, informou a BBC .
“As mortes são bastante preocupantes, há um aumento no número de mortes relatadas, mas se se observar de maneira geral o número total de mortes e o número total de casos, a taxa de mortalidade é quase a mesma que foi, continuando alta, tão alta como a taxa de mortalidade por influenza ”, disse à BBC o professor de Epidemiologia de Doenças Infecciosas da Escola de Higiene e Medicina Tropical de Londres, David Heymann  .



Hospital-lutando-com-coronavirus
Photo STR/AFP via Getty Images


Novo vírus intrigante, com genes desconhecidos, foi descoberto no Brasil



As autoridades relataram mais 14.840 casos e 242 mortes , devido a mudanças na maneira como esses casos estão sendo diagnosticados e contados. Especificamente, os números agora incluem "casos diagnosticados clinicamente" que foram diagnosticados por um médico, mas ainda não passaram por testes de laboratório.
Os kits de testes de diagnóstico são escassos, e até agora eram a única maneira pelas quais as autoridades podiam determinar oficialmente o número total de infeções, de acordo com o The Guardian .

Isso eleva o total de mortes na China até 1.350, com um total de 60.000 infeções, como aponta a BBC, com a província de Hubei responsável por mais de 80% do total de infeções no país. Somente nessa província, 3.411 pacientes foram recuperados e receberam alta, como aponta a CNN.
Segundo a Organização Mundial da Saúde, também existem 441 casos confirmados em 24 outros países. Apenas três mortes ocorreram fora da China, como relata a Al Jazeera, uma em Hong Kong, uma nas Filipinas e a mais recente confirmada hoje no Japão.
O surto também afetou o cenário político de Hubei, relata o The Guardian , com a demissão do chefe do partido da província de Hubei, da cidade de Wuhan e do chefe dos Assuntos de Hong Kong e Macau da China.



Se não for controlado, o coronavírus pode infetar 60% da população mundial



Referencia//The Guardian/BBCNews



Sem comentários:

Enviar um comentário