quarta-feira, 12 de fevereiro de 2020

As lições preocupantes do Último Interglacial


O aumento da temperatura do oceano levou ao derretimento das camadas de gelo da Antártica e causou um aumento extremo do nível do mar há mais de 100.000 anos, mostra um novo estudo internacional.
E existem duas lições preocupantes nessas descobertas, sugere Chris Turney, da Austrália UNSW Sydney, principal autor de um artigo na revista PNAS.
A primeira é que a maior parte da perda de gelo ocorreu no início do último período interglacial (129.000-116.000 há anos), mostrando o como o Antártico é sensível a temperaturas mais altas.
A segunda é que provavelmente levou menos de dois graus Celsius de aquecimento do oceano para ocorrer.


Pesquisas-na-Antartida
Photo CHRIS TURNEY

Mar Vermelho está libertando enorme quantidade de gases de efeito estufa



Períodos interglaciais ocorrem entre as eras glaciais, e o Último Interglacial foi o último desses períodos anteriores ao atual, o Holoceno .
Mas agora é diferente, em grande parte por causa da contribuição humana ao aquecimento global, mas Turney e seus colegas dizem que a natureza do Último Interglacial é um ponto de pesquisa útil para entender como o planeta responde ás mudanças extremas.
Eles viajaram para a área de gelo azul de Patriot Hills, na periferia da camada de gelo da Antártica Ocidental, onde usaram uma abordagem diferente para recolher amostras. Enquanto a maioria dos pesquisadores perfura o gelo, eles procuram horizontalmente.
Em vez de perfurar quilômetros no gelo, podemos simplesmente atravessar uma área de gelo azul e andar para trás milênios”, diz Turney. "Ao recolher amostras de gelo da superfície, somos capazes de reconstruir o que aconteceu no passado."


Ao contrário da camada de gelo da Antártica Oriental, que fica principalmente em zonas altas, a camada da Antártica Ocidental repousa sobre o fundo do mar. É cercado por grandes áreas de gelo flutuante, chamadas prateleiras de gelo, que protegem a parte central do lençol.
À medida que a água mais quente do oceano viaja para as cavidades sob as prateleiras de gelo, diz Turney, o gelo derrete por baixo, afinando as prateleiras e tornando a camada de gelo central altamente vulnerável ao aquecimento das temperaturas do oceano.
Através de medições isotópicas, a equipe descobriu uma lacuna no registro da camada de gelo imediatamente antes do Último Interglacial e coincidindo com o aumento extremo do nível do mar, sugerindo uma rápida perda de gelo da camada da Antártica Ocidental.
As cinzas vulcânicas, as amostras de gases e o DNA antigo de bactérias presas no gelo apoiam essa descoberta, dizem eles. Usando os dados obtidos em seu trabalho de campo, eles executaram simulações de modelos para investigar como o aquecimento pode afetar as prateleiras de gelo flutuantes. Atualmente, essas prateleiras reforçam as camadas de gelo e ajudam a retardar o fluxo de gelo no continente.


aumento-do-nivel-do-mar
Photo Emirates247.

Crises ambientais podem levar o planeta ao "colapso sistémico global”



Os resultados indicam um aumento do nível do mar de 3,8 metros durante os primeiros mil anos de um oceano mais quente dois graus. A maior parte do aumento do nível do mar ocorreu após a perda das prateleiras de gelo, que entrou em colapso nos primeiros 200 anos de temperaturas mais altas.
O consenso do relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) de 2013 foi de que o nível do mar global aumentaria de 40 a 80 centímetros no próximo século, com a Antártica contribuindo apenas com cerca de cinco centímetros. No entanto, a equipe de Turney está preocupada com o fato de que poderá ser muito maior.
"Projeções recentes sugerem que a contribuição da Antártica pode ser até dez vezes maior que a previsão do IPCC, o que é profundamente preocupante", diz o co-autor Christopher Fogwill, da Universidade de Keele, Reino Unido.
"O nosso estudo destaca que a camada de gelo da Antártica pode estar perto de um ponto de inflexão, que uma vez passado pode nos comprometer com a rápida elevação do nível do mar nos próximos milênios".


Travar a mudança climática agora, é a opção mais barata



Referencia//Cosmos Magazine


Sem comentários:

Publicar um comentário