sábado, 29 de fevereiro de 2020

Agentes antivirais de amplo espectro podem ser a resposta para o COVID-19

Os medicamentos existentes podem oferecer um tratamento de primeira linha para surtos de coronavírus.
O número de pessoas infetadas com o novo vírus corona continua subindo rapidamente, havendo já mais de 80000 casos em todo o mundo no final de fevereiro. Mas não há vacina ou cura à vista, o que significa que os médicos podem fazer pouco mais do que oferecer tratamento de suporte aos muito doentes e esperar que seus corpos possam sobreviver à infeção.


laboratorio-farmaceutico


Empresa farmacêutica envia primeiro lote experimental de vacinas contra coronavírus



Agora, no entanto, uma coalizão de investigadores europeus diz que medicamentos já aprovados podem ser a chave para o tratamento do novo vírus. Suas descobertas foram publicadas como uma pré-prova no International Journal of Infectious Diseases .
"O reaproveitamento de medicamentos é uma estratégia para gerar valor adicional a partir de um medicamento existente, visando outras doenças além daquelas para as quais se destinava originalmente", disse Denis Kainov, autor do artigo e professor associado da Universidade Norueguesa de Ciência e Tecnologia. (NTNU). "Por exemplo, teicoplanina, oritavancina, dalbavancina e monensina são antibióticos aprovados que demonstram inibir o corona e outros vírus em laboratório".




Imagem:drugvirus.info


Kainov e seus co-autores dizem que esses e outros medicamentos antivirais de amplo espectro "seguros para o homem", já testados, são bons candidatos ao tratamento da doença, já que atualmente não existem tratamentos para o novo coronavírus, batizado de  COVID-19 pela Organização Mundial da Saúde (OMS).
A OMS diz que o vírus “pode causar sintomas leves, como coriza, dor de garganta, tosse e febre. Pode ser mais grave para algumas pessoas e pode levar a pneumonia ou dificuldades respiratórias. Mais raramente, a doença pode ser fatal. Pessoas idosas e pessoas com condições médicas pré-existentes (como diabetes e doenças cardíacas) parecem ser mais vulneráveis ​​a ficar gravemente doentes com o vírus. ”
A vantagem de redirecionar um medicamento é que todos os detalhes que envolvem o desenvolvimento do medicamento já são conhecidos, desde as etapas de síntese química e processos de fabricação até informações sobre as diferentes fases dos testes clínicos.
Portanto, o reposicionamento de medicamentos lançados ou até com falha em doenças virais oferece oportunidades únicas, incluindo uma probabilidade substancialmente maior de sucesso no mercado em comparação com o desenvolvimento de novos medicamentos e vacinas específicos para vírus e um custo e cronograma significativamente menores para a disponibilidade clínica”, escreveram os investigadores.




Os investigadores revisaram informações sobre a descoberta e o desenvolvimento de agentes antivirais de amplo espectro (BSAAs), que são medicamentos direcionados a vírus de duas ou mais famílias virais diferentes. Eles resumiram o que encontraram para 120 medicamentos que já haviam-se mostrado seguros para o uso humano e criaram um banco de dados, que é acessível gratuitamente. Trinta e um deles foram considerados pelos investigadores, como possíveis candidatos à profilaxia e tratamento das infeções por COVID-19. Os investigadores também descobriram que recentemente começaram as investigações clínicas de cinco possíveis candidatos a medicamentos para tratar o vírus COVID-19.
"No futuro, os BSAAs terão impacto global, diminuindo a mortalidade por doenças virais e outras, maximizando o número de anos de vida saudável, melhorando a qualidade de vida dos pacientes infetados e diminuindo os custos do atendimento", concluíram.


Será que podemos dizer que o surto de coronavírus está diminuindo?


Referencia//Scitechdaily




Sem comentários:

Publicar um comentário