sexta-feira, 31 de janeiro de 2020

Maior praga de gafanhotos das ultimas décadas afeta África Oriental


O Quênia está enfrentando a pior praga de gafanhotos do deserto dos últimos 70 anos. A praga é de tal dimensão que, em algumas áreas, que os habitantes locais dizem que mal conseguem ver através das centenas de milhões de insetos que esvoaçam.
Embora não sejam nocivos por contacto, de acordo com a Organização para a Agricultura e a Alimentação (FAO), a situação é "extremamente grave" e uma "ameaça sem precedentes" à segurança alimentar e aos meios de subsistência daquele país da África.


Gafanhotos-na-Somalia
Photo r7

Os gafanhotos começaram a se reunir em junho passado no leste da Etiópia e no norte da Somália, antes de se desenvolver rapidamente na mais grave infestação que a região viveu nos últimos 25 anos. 2019 foi um dos anos mais chuvosos de todos os tempos na África Oriental, e com temperaturas altas e fortes chuvas gerou-se o ambiente perfeito para um surto. Agora, cada vez mais gafanhotos chegam para a Etiópia, juntando-se a uma massa de insetos tão grande como a cidade de Moscovo.
A FAO afirma que seu tamanho e potencial destrutivo nunca visto antes. Essas pragas vorazes ameaçam destruir pastagens e plantações e, aparentemente, até um pequeno enxame pode consumir comida suficiente para 35.000 pessoas num único dia.

Após um ano de seca causada pelo El Niño, uma deterioração adicional da segurança alimentar pode significar um desastre. No Quênia, cerca de 70.000 hectares de terra já estão infestados, e a FAO diz que não se prevê que a praga diminuia até pelo menos junho de 2020.
Porém, se a chuva continuar e o clima continuar quente, os especialistas acham que esse enxame já massivo poderá " crescer exponencialmente e se expandir " para mais países do leste da África. Afinal, sabe-se que esses bicharocos viajam até 150 quilômetros por dia (90 milhas) e, nesse caso em particular, é provável que o número de insetos cresça quase 500 vezes.


Avião-sujo-pelos-gafanhotos
Photo Twitter James Hall

Os recursos já estão sobrecarregados pela praga, que é tão espessa na Etiópia, que um avião teve que ser desviado porque os gafanhotos reduziram a visibilidade. Constantemente à procura de alimentos frescos e condições quentes e chuvosas, alguns enxames já migraram para o Irão, enquanto o Egito, Eritreia, Arábia Saudita e Iêmen estão em risco da chegada de enxames semelhantes.
Dado o tamanho dos enxames, o controle aéreo é o único meio eficaz para reduzir o número de gafanhotos. Para aumentar os esforços de pulverização de pesticidas, as Nações Unidas disponibilizaram US $ 10 milhões e a própria ONU tenta conseguir outros US $ 70 milhões de doadores internacionais, com base nas estimativas da FAO.
"Esta devastadora praga de gafanhotos está começando a destruir a vegetação no leste da África com velocidade e ferocidade alarmantes", disse o chefe humanitário da ONU, Mark Lowcock.



Referencia//ScienceAlert



Sem comentários:

Publicar um comentário